Aṅguttara Nikāya 2.32-41

Samacittavagga

Mentes Similares

“Bhikkhus, eu lhes ensinarei o nível da pessoa falsa e o nível da pessoa verdadeira. Ouçam e prestem muita atenção àquilo que eu vou dizer.”—“Sim, venerável senhor,” os bhikkhus responderam. O Abençoado disse o seguinte:

“E qual é o nível da pessoa falsa? Uma pessoa falsa é ingrata, não reconhece a ajuda que lhe é dada. Essa ingratidão, essa falta de reconhecimento é o costume entre as pessoas falsas. Isto está totalmente de acordo com o nível das pessoas falsas.

“E qual é o nível da pessoa verdadeira? Uma pessoa verdadeira é grata, e reconhece a ajuda que lhe é dada. Essa gratidão, esse reconhecimento é o costume entre as pessoas verdadeiras. Isto está totalmente de acordo com o nível das pessoas verdadeiras.”

2.33. Retribuindo os Próprios Pais

“Bhikkhus, há duas pessoas que não podem facilmente ser retribuidas. Quais duas? A própria mãe e o próprio pai.

“Mesmo que alguém carregue a mãe em um ombro e o pai no outro, e [que ao fazê-lo] tenha um tempo de vida de cem anos, viva por cem anos; que ele cuide deles, ungindo-os com com bálsamos, massageando-os, dando-lhes banho, e esfregando os seus membros, e até mesmo limpando a sua urina e o seu excremento, ainda assim, ele não teria feito o suficiente para os seus pais, nem lhes teria retribuido. Mesmo que ele estabeleça os seus pais como os supremos senhores e governantes sobre esta grande terra abundante com os sete tesouros, ele ainda assim não teria feito o suficiente para os seus pais, nem lhes teria retribuido. Por que razão? Os pais são de grande ajuda para os seus filhos, pois eles os criam, os alimentam e lhes mostram o mundo.

“Mas, bhikkhus, se os pais não têm fé, ele os incentiva, os assenta, e os estabelece na fé; se os pais forem imorais, ele os incentiva, os assenta, e os estabelece no comportamento virtuoso; se os pais são avarentos, ele os incentiva, os assenta, e os estabelece na generosidade; se os pais não são sábios, ele os incentiva, os assenta, e os estabelece na sabedoria: de tal modo que ele tenha feito o suficiente pelos seus pais, retribuindo-lhes, e fazendo mais do que suficiente por eles.”

2.34. Não-ação

Então um certo brâmane foi até o Abençoado e depois da troca de saudações corteses e amáveis ele sentou a um lado e disse:

“O que o Mestre Gotama afirma, o que ele declara?”

“Brâmane, eu afirmo uma doutrina da ação e uma doutrina da não-ação.”

“Mas de que forma o Mestre Gotama afirma uma doutrina da ação e uma doutrina da não-ação?”

“Eu afirmo a não-ação com relação à conduta corporal imprópria, conduta verbal imprópria e conduta mental imprópria; eu afirmo a não-ação com relação aos vários tipos de qualidades ruins e prejudiciais. Eu afirmo a ação com relação à conduta corporal apropriada, conduta verbal apropriada e conduta mental apropriada; eu afirmo a ação com relação aos vários tipos de qualidades benéficas. É dessa forma, brâmane, que eu afirmo uma doutrina da ação e uma doutrina da não-ação.”

2.38. Para Kandarayana

Certa ocasião o venerável Mahakaccana estava em Madhura no bosque de Gunda. Então o brâmane Kandarayana foi até o venerável Mahakaccana e depois da troca de saudações corteses e amáveis ele sentou a um lado e disse:

“Eu ouvi, mestre Kaccana: ‘O contemplativo Kaccana não presta homenagem aos brâmanes que são velhos, envelhecidos, com a idade avançada, pressionados pelos anos, avançados na vida, chegando ao último estágio, nem que ele se levanta ou lhes oferece um assento’. Isto de fato é verdade, pois o mestre Kaccana não presta homenagem aos brâmanes que são velhos, envelhecidos, com a idade avançada, pressionados pelos anos, avançados na vida, chegando ao último estágio, nem que ele se levanta ou lhes oferece um assento. Isso não é bom, mestre Kaccana.”

“Brâmane, o Abençoado, o arahant, perfeitamente iluminado, que sabe e vê, declarou o estágio de um ancião velho e o estágio de um jovem. Muito embora alguém seja velho—oitenta, noventa ou cem anos—se ele desfruta dos prazeres sensuais, permanece envolto pelos prazeres sensuais, arde com a febre pelos prazeres sensuais, é consumido com pensamentos de prazeres sensuais, está ansioso em busca de prazeres sensuais, então, ele é reconhecido como um ancião tolo [infantil]. Mas mesmo que alguém seja jovem, com o cabelo negro, dotado com as bênçãos da juventude, no primeiro estágio da vida, se ele não desfruta dos prazeres sensuais, não permanece envolto pelos prazeres sensuais, não arde com a febre pelos prazeres sensuais, não é consumido com pensamentos de prazeres sensuais, não está ansioso em busca de prazeres sensuais, então, ele é reconhecido como um sábio ancião.”

Quando isso foi dito, o brâmane Kandarayana levantou do seu assento, arranjou o seu manto externo sobre o ombro, e inclinou-se com a cabeça aos pés dos bhikkhus jovens, dizendo: “Vocês anciãos estão no estágio de um ancião, nós jovens permanecemos neste estágio de um jovem.”