Aṅguttara Nikāya 5.175

Candala Sutta

Os Párias

“Dotado com essas cinco qualidades, um discípulo leigo é um pária dentre os discípulos leigos, uma mácula dentre os discípulos leigos, a escória dentre os discípulos leigos. Quais cinco? Ele não possui convicção [na iluminação do Buda]; ele não possui virtude; ele é ávido por amuletos e cerimonias de proteção; ele confia nos amuletos e cerimonias de proteção, não no kamma; ele busca receptores de suas oferendas fora da Sangha e os favorece primeiro. Dotado com essas cinco qualidades, um discípulo leigo é um pária dentre os discípulos leigos, uma mácula dentre os discípulos leigos, a escória dentre os discípulos leigos.

“Dotado com essas cinco qualidades, um discípulo leigo é uma jóia dentre os discípulos leigos, uma flor de lótus dentre os discípulos leigos, uma fina flor dentre os discípulos leigos. Quais cinco? Ele possui convicção; ele é virtuoso; ele não é ávido por amuletos e cerimonias de proteção; ele confia no kamma e não em amuletos e cerimonias de proteção; ele não busca receptores para suas oferendas fora da Sangha e favorece a Sangha primeiro. Dotado com essas cinco qualidades, um discípulo leigo é uma jóia dentre os discípulos leigos, uma flor de lótus dentre os discípulos leigos, uma fina flor dentre os discípulos leigos.”

Nota de Thanissaro Bhikkhu: Este discurso lista—primeiro de uma maneira negativa e depois positiva—as exigências básicas para ser um discípulo Budista leigo com boa reputação.