Aṅguttara Nikāya 6.60

Hatthisariputta Sutta

Hatthi

Assim ouvi. Em certa ocasião o Abençoado estava em Benares no Parque do Gamo em Isipatana. Agora naquela ocasião, depois de haver esmolado alimentos e haver retornado, após a refeição, um grupo de bhikkhus sêniores estavam reunidos no pavilhão conversando sobre o Dhamma. Enquanto discutiam o Venerável Citta Hatthisariputta repetidamente interrompia a conversa. O Venerável Mahakotthita então disse para o Venerável Citta Hatthisariputta:

“Quando bhikkhus sêniores estão discutindo o Dhamma, não interrompa a conversa repetidamente mas aguarde até que a discussão esteja concluída.”

Quando isso foi dito os amigos do bhikkhu Citta Hatthisariputta disseram para o Venerável Mahakotthita: “Não censure o Venerável Citta Hatthisariputta. O Venerável Citta Hatthisariputta é sábio sendo capaz de participar com os bhikkhus sêniores numa discussão sobre o Dhamma.”

[O Venerável Mahakotthita disse:] “É difícil, amigos, que aqueles que não conhecem o modo da mente de outrem saber isso.

(1) “Aqui, amigos, uma pessoa aparenta ser extremamente moderada, humilde e calma, enquanto esteja próxima ao mestre ou a um companheiro bhikkhu na posição de um mestre. Mas ao se distanciar do mestre, ou de um companheiro bhikkhu na posição de um mestre, ela se une a [outros] bhikkhus, bhikkhunis, discípulos leigos, discípulas leigas, reis e ministros reais, mestres sectários e discípulos de mestres sectários. Ao unir-se a eles e tornar-se íntimo deles, ela relaxa e conversa com eles, a cobiça invade a sua mente. Com a mente tomada pela cobiça ela abandona o treinamento e reverte para a vida inferior.

“Suponha que um touro que come a colheita esteja amarrado por uma corda ou preso num curral. Alguém poderia corretamente dizer: ‘Esse touro que come a colheita nunca mais irá se meter na plantação?’”

“Com certeza não, amigo. Pois é possível que o touro que come a colheita rompa a corda ou arrebente o curral e novamente entre na plantação.”

“Do mesmo modo, uma pessoa aqui aparenta ser extremamente moderada … Mas ao se distanciar do mestre, ou de um companheiro bhikkhu na posição de um mestre, ela se une a [outros] bhikkhus … ela abandona o treinamento e reverte para a vida inferior.

(2) “Então, amigos, afastado dos prazeres sensuais, afastado das qualidades não hábeis, uma pessoa entra e permanece no primeiro jhana, que é caracterizado pelo pensamento aplicado e sustentado, com o êxtase e felicidade nascidos do afastamento. [Pensando] ‘Eu sou um daqueles que conquistou o primeiro jhana,’ ela se une a [outros] bhikkhus, bhikkhunis, discípulos leigos, discípulas leigas, reis e ministros reais, mestres sectários e discípulos de mestres sectários. Ao unir-se a eles e tornar-se íntimo deles, ela relaxa e conversa com eles, a cobiça invade a sua mente. Com a mente tomada pela cobiça ela abandona o treinamento e reverte para a vida inferior.

“Suponham que numa encruzilhada a chuva caia em gotas pesadas, fazendo com que a poeira desapareça e surja a lama. Alguém poderia corretamente dizer: ‘Agora a poeira nunca mais irá aparecer nesta encruzilhada?’”

“Com certeza não, amigo. Pois é possível que pessoas passem por essa encruzilhada, ou que o gado e as cabras passem, ou que o calor do vento e do sol sequem a umidade, e então a poeira irá reaparecer.”

“Do mesmo modo, afastado dos prazeres sensuais, afastado das qualidades não hábeis, uma pessoa entra e permanece no primeiro jhana … [Pensando] ‘Eu sou um daqueles que conquistou o primeiro jhana,’ ela se une a [outros] bhikkhus, … ela abandona o treinamento e reverte para a vida inferior.

(3) “Então, amigos, abandonando o pensamento aplicado e sustentado, uma certa pessoa entra e permanece no segundo jhana … [Pensando] ‘Eu sou um daqueles que conquistou o segundo jhana,’ ela se une a [outros] bhikkhus, bhikkhunis, discípulos leigos, discípulas leigas, reis e ministros reais, mestres sectários e discípulos de mestres sectários. Ao unir-se a eles e tornar-se íntimo deles, ela relaxa e conversa com eles, a cobiça invade a sua mente. Com a mente tomada pela cobiça ela abandona o treinamento e reverte para a vida inferior.

“Suponham que não muito longe de um vilarejo ou cidade existisse um grande lago. Então a chuva caindo em pesadas gotas faria com que vários tipos de conchas, cascalho e pedras desaparecessem. Alguém poderia corretamente dizer: ‘Agora os vários tipos de conchas, cascalho e pedras desapareceram e nunca mais irão reaparecer neste lago?’”

“Com certeza não, amigo. Pois é possível que pessoas bebam desse lago, que o gado e as cabras bebam desse lago, ou que o calor do vento e do sol sequem a umidade, e então os vários tipos de conchas, cascalho e pedras irão reaparecer.”

“Do mesmo modo, abandonando o pensamento aplicado e sustentado, uma certa pessoa entra e permanece no segundo jhana … [Pensando] ‘Eu sou um daqueles que conquistou o segundo jhana,’ ela se une a [outros] bhikkhus, … ela abandona o treinamento e reverte para a vida inferior.

(4) “Então, amigos, abandonando o êxtase, uma certa pessoa entra e permanece no terceiro jhana … [Pensando] ‘Eu sou um daqueles que conquistou o terceiro jhana,’ ela se une a [outros] bhikkhus, bhikkhunis, discípulos leigos, discípulas leigas, reis e ministros reais, mestres sectários e discípulos de mestres sectários. Ao unir-se a eles e tornar-se íntimo deles, ela relaxa e conversa com eles, a cobiça invade a sua mente. Com a mente tomada pela cobiça ela abandona o treinamento e reverte para a vida inferior.

“Suponham que a comida que restou da janta do dia anterior não apeteça mais a um homem que acabou de comer uma refeição deliciosa. Alguém poderia corretamente dizer: ‘Agora a comida nunca mais irá apetecer a esse homem?’”

“Com certeza não, amigo. Pois mais comida não irá apetecer a esse homem enquanto a essência nutritiva permanecer no seu corpo, mas quando a essência nutritiva desaparecer, é possível que essa comida apeteça novamente ao homem.”

“Do mesmo modo, abandonando o êxtase, uma certa pessoa entra e permanece no terceiro jhana … [Pensando] ‘Eu sou um daqueles que conquistou o terceiro jhana,’ ela se une a [outros] bhikkhus, … ela abandona o treinamento e reverte para a vida inferior.

(5) “Então, amigos, com o completo desaparecimento da felicidade, uma certa pessoa entra e permanece no quarto jhana … [Pensando] ‘Eu sou um daqueles que conquistou o quarto jhana,’ ela se une a [outros] bhikkhus, bhikkhunis, discípulos leigos, discípulas leigas, reis e ministros reais, mestres sectários e discípulos de mestres sectários. Ao unir-se a eles e tornar-se íntimo deles, ela relaxa e conversa com eles, a cobiça invade a sua mente. Com a mente tomada pela cobiça ela abandona o treinamento e reverte para a vida inferior.

“Suponham que num vale nas montanhas houvesse um lago protegido dos ventos e sem ondas. Alguém poderia corretamente dizer: ‘Agora as ondas nunca irão reaparecer nesse lago?’”

“Com certeza não, amigo. Pois é possível que uma violenta tempestade venha do leste, do oeste, do norte, ou do sul e provoque ondas no lago.”

“Do mesmo modo, com o completo desaparecimento da felicidade, uma certa pessoa entra e permanece no quarto jhana … [Pensando] ‘Eu sou um daqueles que conquistou o quarto jhana,’ ela se une a [outros] bhikkhus … ela abandona o treinamento e reverte para a vida inferior.

(5) “Então, amigos, através da não-atenção a todos os sinais, um certa pessoa entra e permanece na concentração sem sinais. [Pensando] ‘Eu sou um daqueles que conquistou a concentração sem sinais,’ ela se une a [outros] bhikkhus, bhikkhunis, discípulos leigos, discípulas leigas, reis e ministros reais, mestres sectários e discípulos de mestres sectários. Ao unir-se a eles e tornar-se íntimo deles, ela relaxa e conversa com eles, a cobiça invade a sua mente. Com a mente tomada pela cobiça ela abandona o treinamento e reverte para a vida inferior.

“Suponham que um rei ou um ministro real esteja viajando por uma estrada com um exército com quatro divisões e fizessem acampamento numa mata fechada para passar a noite. Devido ao som dos elefantes, cavalos, cocheiros, e infantaria, e o som e ruído dos tambores, tímpanos e conchas, o ruído dos grilos desapareceria. Alguém poderia corretamente dizer: ‘Agora o ruído dos grilos nunca mais irá reaparecer nesta mata fechada?’”

“Com certeza não, amigo. Pois é possível que o rei ou o ministro real deixem aquela mata fechada e então o ruído dos grilos reapareceria.”

“Do mesmo modo, através da não-atenção a todos os sinais, um certa pessoa entra e permanece na concentração sem sinais. [Pensando] ‘Eu sou um daqueles que conquistou a concentração sem sinais,’ ela se une a [outros] bhikkhus, … ela abandona o treinamento e reverte para a vida inferior.”

Numa ocasião mais tarde o Venerável Citta Hatthisariputta abandonou o treinamento e reverteu para a vida inferior. Os seus amigos bhikkhus foram então até o Venerável Mahakotthita e disseram: “O Venerável Mahakotthita abrangeu a mente de Citta Hatthisariputta e compreendeu que ele obtém tal realização e permanência meditativa, no entanto ele irá abandonar o treinamento e reverter para a vida inferior?’ Ou foram os devas que lhe relataram isso?”

“Amigos, eu abrangi a mente de Citta Hatthisariputta com a minha mente e compreendi: ‘Citta Hatthisariputta obtém tal realização e permanência meditativa, no entanto ele irá abandonar o treinamento e reverter para a vida inferior.’ Também os devas relataram isso para mim.”

Depois aqueles bhikkhus amigos de Citta Hatthisariputta foram até o Abençoado e depois de cumprimentá-lo sentaram a um lado e disseram: “Venerável senhor, Citta Hatthisariputta obteve tal realização e permanência meditativa, no entanto ele abandonou o treinamento e reverteu para a vida inferior.”

“Em pouco tempo, bhikkhus, Citta irá pensar em renunciar.”

Não muito tempo depois, Citta Hatthisariputta raspou o cabelo e a barba, vestiu os mantos de cor ocre e deixando a vida em família seguiu a vida santa. Permanecendo só, isolado, diligente, ardente e decidido, em pouco tempo, o Venerável Citta Hatthisariputta alcançou e permaneceu no objetivo supremo da vida santa pelo qual membros de um clã deixam a vida em família pela vida santa, tendo conhecido e realizado por si mesmo no aqui e agora. Ele soube: “O nascimento foi destruído, a vida santa foi vivida, o que deveria ser feito foi feito, não há mais vir a ser a nenhum estado.” E assim o Venerável Citta Hatthisariputta tornou-se mais um dos Arahants.