Aṅguttara Nikāya 7.55

Purisagati Sutta

Destinação das Pessoas

“Bhikkhus, eu lhes ensinarei as sete destinações das pessoas e a realização de nibbana através do desapego. Ouçam e prestem muita atenção àquilo que eu vou dizer.”

“Sim, venerável senhor,” aqueles bhikkhus responderam. O Abençoado disse o seguinte:

“Quais, bhikkhus, são as sete destinações das pessoas?

(1) “Aqui, um bhikkhu pratica assim: ‘Isso poderá não ser; isso poderá não ser meu. Isso não será; isso não será meu. Eu estou abandonando aquilo que existe, que veio a ser.’ Ele obtém a equanimidade. Ele não está apegado ao ser/existir; ele não está apegado à originação. Ele vê com correta sabedoria: ‘Há um estado superior que é pacífico’, no entanto ele ainda não realizou esse estado por completo. Ele não abandonou por completo a tendência subjacente para a presunção; ele não abandonou por completo a tendência subjacente para a cobiça pelo ser/existir; ele não abandonou por completo a ignorância. Com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões ele realiza nibbana no intervalo.

“Por exemplo, quando uma bola de ferro que foi aquecida durante todo um dia é golpeada, uma fagulha poderá voar e ser extinta. Do mesmo modo, um bhikkhu pratica assim … não abandonou por completo a ignorância. Com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões ele realiza nibbana no intervalo.

(2) “Então um bhikkhu pratica assim: ‘Isso poderá não ser; isso poderá não ser para mim. Isso não será; isso não será meu. Eu estou abandonando aquilo que existe, que veio a ser.’ Ele obtém a equanimidade. Ele não está apegado ao ser/existir; ele não está apegado à originação. Ele vê com correta sabedoria: ‘Há um estado superior que é pacífico’, no entanto ele ainda não realizou esse estado por completo. Ele não abandonou por completo a tendência subjacente para a presunção; ele não abandonou por completo a tendência subjacente para a cobiça pelo ser/existir; ele não abandonou por completo a ignorância. Com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões ele realiza nibbana no intervalo.

“Por exemplo, quando uma bola de ferro que foi aquecida durante todo um dia é golpeada, uma fagulha poderá voar, ascender, e ser extinta. Do mesmo modo, um bhikkhu pratica assim … não abandonou por completo a ignorância. Com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões ele realiza nibbana no intervalo.

(3) “Então um bhikkhu pratica assim: ‘Isso poderá não ser; isso poderá não ser para mim. Isso não será; isso não será meu. Eu estou abandonando aquilo que existe, que veio a ser.’ … Com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões ele realiza nibbana no intervalo.

“Por exemplo, quando uma bola de ferro que foi aquecida durante todo um dia é golpeada, uma fagulha poderá voar, ascender, e ser extinta justamente antes de chegar ao solo. Do mesmo modo, um bhikkhu pratica assim … não abandonou por completo a ignorância. Com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões ele realiza nibbana no intervalo.

(4) “Então um bhikkhu pratica assim: ‘Isso poderá não ser; isso poderá não ser para mim. Isso não será; isso não será meu. Eu estou abandonando aquilo que existe, que veio a ser.’ … Com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões ele realiza nibbana ao pousar.

“Por exemplo, quando uma bola de ferro que foi aquecida durante todo um dia é golpeada, uma fagulha poderá voar, ascender, e ser extinta ao pousar sobre o solo. Do mesmo modo, um bhikkhu pratica assim … não abandonou por completo a ignorância. Com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões ele realiza nibbana ao pousar.

(5) “Então um bhikkhu pratica assim: ‘Isso poderá não ser; isso poderá não ser para mim. Isso não será; isso não será meu. Eu estou abandonando aquilo que existe, que veio a ser.’ … Com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões ele realiza nibbana sem esforço.

“Por exemplo, quando uma bola de ferro que foi aquecida durante todo um dia é golpeada, uma fagulha poderá voar, ascender, e cair sobre uma pequena pilha de palha ou gravetos. Isso produziria fogo e fumaça, mas ao ter consumido toda a pequena pilha de palha ou gravetos, se não houver mais combustível, o fogo será extinto. Do mesmo modo, um bhikkhu pratica assim … não abandonou por completo a ignorância. Com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões ele realiza nibbana sem esforço.

(6) “Então um bhikkhu pratica assim: ‘Isso poderá não ser; isso poderá não ser para mim. Isso não será; isso não será meu. Eu estou abandonando aquilo que existe, que veio a ser.’ … Com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões ele realiza nibbana com esforço.

“Por exemplo, quando uma bola de ferro que foi aquecida durante todo um dia é golpeada, uma fagulha poderá voar, ascender, e cair sobre uma grande pilha de palha ou gravetos. Isso produziria fogo e fumaça, mas ao ter consumido toda a grande pilha de palha ou gravetos, se não houver mais combustível, o fogo será extinto. Do mesmo modo, um bhikkhu pratica assim … não abandonou por completo a ignorância. Com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões ele realiza nibbana com esforço.

(7) “Então um bhikkhu pratica assim: ‘Isso poderá não ser; isso poderá não ser para mim. Isso não será; isso não será meu. Eu estou abandonando aquilo que existe, que veio a ser.’ … Com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões ele estará destinado a um plano superior, o plano Akanittha.

“Por exemplo, quando uma bola de ferro que foi aquecida durante todo um dia é golpeada, uma fagulha poderá voar, ascender, e cair sobre uma grande pilha de palha ou gravetos. Isso produziria fogo e fumaça, mas ao ter consumido toda a grande pilha de palha ou gravetos, queimaria um bosque até a beira de um campo, ou a beira de uma estrada, ou a beira de uma montanha rochosa, a beira de um rio, ou algum pedaço de terra, e então, se não houver mais combustível, o fogo será extinto. Do mesmo modo, um bhikkhu pratica assim … não abandonou por completo a ignorância. Com a completa destruição dos cinco primeiros grilhões ele estará destinado a um plano superior, o plano Akanittha.

“Essas bhikkhus são as sete destinações das pessoas.

“E como, bhikkhus, é a realização de nibbana através do desapego? Aqui, um bhikkhu pratica assim: ‘Isso poderá não ser; isso poderá não ser para mim. Isso não será; isso não será meu. Eu estou abandonando aquilo que existe, que veio a ser.’ Ele obtém a equanimidade. Ele não está apegado ao ser/existir; ele não está apegado à originação. Ele vê com correta sabedoria: ‘Há um estado superior que é pacífico’, e ele realizou esse estado por completo. Ele abandonou por completo a tendência subjacente para a presunção; ele abandonou por completo a tendência subjacente para a cobiça pelo ser/existir; ele abandonou por completo a ignorância. Realizando por si mesmo através do conhecimento direto, aqui e agora, ele entra e permanece na libertação da mente e libertação através da sabedoria que são imaculadas com a destruição de todas as impurezas. Isso é chamado a realização de nibbana através do desapego.”