Majjhima Nikāya 32

Mahā­gosiṅga Sutta

O Grande Discurso em Gosiṅga

Assim ouvi. Em certa ocasião o Abençoado estava no Parque de Gosiṅga na Floresta de Árvores Sala, junto com muitos discípulos sêniores bem conhecidos—Ven. Sāriputta, Ven. Mahā Moggallāna, Ven. Mahā Kassapa, Ven. Anuruddha, Ven. Revata, Ven. Ānanda e outros discípulos sêniores bem conhecidos.

Então, ao anoitecer, o venerável Mahā Moggallāna levantou da meditação e foi até o venerável Mahā Kassapa e disse: “Amigo Kassapa, vamos até o venerável Sāriputta para ouvir o Dhamma.”—“Sim, amigo,” o venerável Mahā Kassapa respondeu. Então, o venerável Mahā Moggallāna, o venerável Mahā Kassapa, e o venerável Anuruddha foram até o venerável Sāriputta para ouvir o Dhamma.

O venerável Ānanda viu-os indo na direção do venerável Sāriputta para ouvir o Dhamma. Em seguida, ele foi até o venerável Revata e disse: “Amigo Revata, aqueles homens verdadeiros estão indo até o venerável Sāriputta para ouvir o Dhamma. Nós também deveríamos ir até o venerável Sāriputta para ouvir o Dhamma.”—“Sim, amigo,” o venerável Revata respondeu. Então o venerável Revata e o venerável Ānanda foram até o venerável Sāriputta para ouvir o Dhamma.

O venerável Sāriputta viu o venerável Revata e o venerável Ānanda vindo à distância e disse para o venerável Ānanda: “Que o venerável Ānanda venha, bem vindo o venerável Ānanda, o acompanhante do Abençoado, que está sempre em companhia do Abençoado. Amigo Ānanda, a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga é prazerosa, a noite é iluminada pela Lua, as árvores Sala estão todas em florescência e aromas divinos parecem flutuar no ar. Que tipo de bhikkhu, amigo Ānanda, poderia iluminar a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga?”

“Aqui, amigo Sāriputta, um bhikkhu aprendeu muito, se recorda daquilo que aprendeu e consolida aquilo que aprendeu. Aqueles ensinamentos que são admiráveis no início, admiráveis no meio, admiráveis no final, com o correto significado e fraseado e que revelam uma vida santa que é completamente perfeita e imaculada—ensinamentos como esses ele os aprendeu bem, se recorda, domina com a linguagem, investigou com a mente e penetrou corretamente com o entendimento. E ele ensina o Dhamma para as quatro assembléias através de enunciados e frases bem elaboradas e coerentes para a erradicação das tendências subjacentes. Esse tipo de bhikkhu poderia iluminar esta Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga.”

Quando isso foi dito, o venerável Sāriputta se dirigiu ao venerável Revata assim: “Amigo Revata, o venerável Ānanda falou de acordo com a sua inspiração. Agora perguntamos ao venerável Revata: Amigo Revata, a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga é prazerosa, a noite é iluminada pela Lua, as árvores Sala estão todas em florescência e aromas divinos parecem flutuar no ar. Que tipo de bhikkhu, amigo Revata, poderia iluminar a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga?”

“Aqui, amigo Sāriputta, um bhikkhu se deleita com a meditação solitária e sente prazer com a meditação solitária; ele se dedica à tranqüilidade da mente, ele não negligencia a meditação que conduz aos jhānas, ele cultiva o insight e habita cabanas vazias. Esse tipo de bhikkhu poderia iluminar esta Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga.”

Quando isso foi dito, o venerável Sāriputta se dirigiu ao venerável Anuruddha assim: “Amigo Anuruddha, o venerável Revata falou de acordo com a sua inspiração. Agora perguntamos ao venerável Anuruddha: Amigo Anuruddha, a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga é prazerosa … Que tipo de bhikkhu, amigo Anuruddha, poderia iluminar a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga?”

“Aqui, amigo Sāriputta, por meio do olho divino, que é purificado e sobrepuja o humano, um bhikkhu inspeciona mil mundos. Tal como um homem com boa visão que, ao ascender até o topo de uma torre alta poderá inspecionar mil rodas espalhadas pelo chão, assim também, por meio do olho divino, que é purificado e sobrepuja o humano, um bhikkhu inspeciona mil mundos. Esse tipo de bhikkhu poderia iluminar esta Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga.”

Quando isso foi dito, o venerável Sāriputta se dirigiu ao venerável Mahā Kassapa assim: “Amigo Kassapa, o venerável Anuruddha falou de acordo com a sua inspiração. Agora perguntamos ao venerável Mahā Kassapa: Amigo Kassapa, a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga é prazerosa … Que tipo de bhikkhu, amigo Kassapa, poderia iluminar a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga?”

“Aqui, amigo Sāriputta, um bhikkhu vive nas florestas e fala enaltecendo a vida nas florestas; ele se alimenta de comida esmolada e fala enaltecendo o alimentar-se de comida esmolada; ele veste mantos feitos de trapos e fala enaltecendo o vestir-se com mantos feitos de trapos; ele veste três mantos e fala enaltecendo o vestir-se com três mantos; ele possui poucos desejos e fala enaltecendo a escassez de desejos; ele está satisfeito e fala enaltecendo a satisfação; ele vive isolado e fala enaltecendo o isolamento; ele permanece afastado da sociedade e fala enaltecendo o afastamento da sociedade; ele é energético e fala enaltecendo a estimulação da energia; ele possui a virtude consumada e fala enaltecendo a consumação da virtude; ele alcançou a concentração e fala enaltecendo a obtenção da concentração; ele alcançou a sabedoria e fala enaltecendo a realização da sabedoria; ele alcançou a libertação e fala enaltecendo a realização da libertação; ele alcançou o conhecimento e visão da libertação e fala enaltecendo a realização do conhecimento e visão da libertação. Esse tipo de bhikkhu poderia iluminar esta Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga.”

Quando isso foi dito, o venerável Sāriputta se dirigiu ao venerável Mahā Moggallāna assim: “Amigo Moggallāna, o venerável Mahā Kassapa falou de acordo com a sua inspiração. Agora perguntamos ao venerável Mahā Moggallāna: Amigo Moggallāna, a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga é prazerosa … Que tipo de bhikkhu, amigo Moggallāna, poderia iluminar a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga?”

“Aqui, amigo Sāriputta, dois bhikkhus se engajam numa conversa sobre o Dhamma superior e eles questionam um ao outro, e cada um ao ser questionado pelo outro responde sem soçobrar, e a conversa deles evolui de acordo com o Dhamma. Esse tipo de bhikkhu poderia iluminar esta Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga.”

Quando isso foi dito, o venerável Mahā Moggallāna se dirigiu ao venerável Sāriputta assim: “Amigo Sāriputta, todos nós falamos de acordo com nossa própria inspiração. Agora perguntamos ao venerável Sāriputta: Amigo Sāriputta, a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga é prazerosa, a noite é iluminada pela Lua, as árvores Sala estão todas em florescência e aromas divinos parecem flutuar no ar. Que tipo de bhikkhu, amigo Sāriputta, poderia iluminar a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga?”

“Aqui, amigo Moggallāna, um bhikkhu exerce domínio sobre a sua mente, ele não permite que a mente exerça domínio sobre ele. Durante a manhã, ele permanece em qualquer estado ou realização que ele quiser; durante o meio do dia, ele permanece em qualquer estado ou realização que ele quiser; durante a noite, ele permanece em qualquer estado ou realização que ele quiser. Suponham que um rei ou o ministro de um rei tivesse um baú cheio de várias roupas coloridas. Durante a manhã, ele poderia vestir qualquer roupa que ele desejasse; durante o meio do dia, ele poderia vestir qualquer roupa que ele desejasse; durante a noite, ele poderia vestir qualquer roupa que ele desejasse. Da mesma forma, um bhikkhu exerce domínio sobre a sua mente, ele não permite que a mente exerça domínio sobre ele. Durante a manhã, … durante o meio do dia, … durante a noite, ele permanece em qualquer estado ou realização que quiser. Esse tipo de bhikkhu poderia iluminar esta Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga.”

Então o venerável Sāriputta se dirigiu àqueles veneráveis assim: “Amigos, nós todos falamos de acordo com a nossa própria inspiração. Vamos até o Abençoado relatar este assunto. Da forma como o Abençoado responder, assim nos recordaremos.”—“Sim, amigos,” eles responderam. Então aqueles veneráveis foram até o Abençoado e depois de cumprimentá-lo sentaram a um lado. O venerável Sāriputta disse para o Abençoado:

“Venerável senhor, o venerável Revata e o venerável Ānanda vieram até mim para ouvir o Dhamma. Eu os vi vindo à distância e disse para o venerável Ānanda: ‘Que o venerável Ānanda venha, bem vindo ao venerável Ānanda … Amigo Ānanda, a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga é prazerosa … Que tipo de bhikkhu, amigo Ānanda, poderia iluminar a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga? Tendo sido perguntado, venerável senhor, o venerável Ānanda respondeu: ‘Aqui, amigo Sāriputta, um bhikkhu aprendeu muito … (igual ao verso 4) … Esse tipo de bhikkhu poderia iluminar esta Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga.’”

“Muito bem, muito bem, Sāriputta. Ānanda, falando corretamente, deveria falar exatamente como ele falou. Pois Ānanda aprendeu muito, se recorda daquilo que aprendeu e consolida aquilo que aprendeu. Aqueles ensinamentos que são bons no princípio, bons no meio e bons no final, com o correto significado e fraseado e que revelam uma vida santa que é completamente perfeita e imaculada—ensinamentos como esses, ele os aprendeu bem, se recorda, domina com a linguagem, investigou com a mente e penetrou corretamente com o entendimento. E ele ensina o Dhamma para as quatro assembléias através de enunciados e frases bem elaboradas e coerentes para a erradicação das tendências subjacentes.”

“Quando isso foi dito, venerável senhor, eu me dirigi ao venerável Revata assim: ‘Amigo Revata … Que tipo de bhikkhu poderia iluminar a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga?’ E o venerável Revata respondeu: ‘Aqui, amigo Sāriputta, um bhikkhu se deleita com a meditação solitária … (igual ao verso 5) … Esse tipo de bhikkhu poderia iluminar esta Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga.’”

“Muito bem, muito bem, Sāriputta. Revata, falando corretamente, deveria falar exatamente como ele falou. Pois Revata se deleita com a meditação solitária e sente prazer com a meditação solitária; ele se dedica à tranqüilidade da mente, não negligencia a meditação que conduz aos jhānas, cultiva o insight e habita cabanas vazias.”

“Quando isso foi dito, venerável senhor, eu me dirigi ao venerável Anuruddha assim: ‘Amigo Anuruddha … Que tipo de bhikkhu poderia iluminar a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga?’ E o venerável Anuruddha respondeu: ‘Aqui, amigo Sāriputta, por meio do olho divino … (igual ao verso 6) … Esse tipo de bhikkhu poderia iluminar esta Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga.’”

“Muito bem, muito bem, Sāriputta. Anuruddha, falando corretamente, deveria falar exatamente como ele falou. Pois, por meio do olho divino que é purificado e sobrepuja o humano Anuruddha inspeciona milhares de mundos.”

“Quando isso foi dito, venerável senhor, eu me dirigi ao venerável Mahā Kassapa assim: ‘Amigo Kassapa … Que tipo de bhikkhu poderia iluminar a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga?’ E o venerável Mahā Kassapa respondeu: ‘Aqui, amigo Sāriputta, um bhikkhu vive nas florestas … (igual ao verso 7) … Esse tipo de bhikkhu poderia iluminar esta Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga.’”

“Muito bem, muito bem, Sāriputta. Kassapa, falando corretamente, deveria falar exatamente como ele falou. Pois Kassapa vive nas florestas e fala enaltecendo a vida nas florestas … ele alcançou o conhecimento e visão da libertação e fala enaltecendo a realização do conhecimento e visão da libertação.”

“Quando isso foi dito, venerável senhor, eu me dirigi ao venerável Mahā Moggallāna assim: ‘Amigo Moggallāna … Que tipo de bhikkhu poderia iluminar a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga?’ E o venerável Mahā Moggallāna respondeu: ‘Aqui, amigo Sāriputta, dois bhikkhus se engajam numa conversa sobre o Dhamma superior … (igual ao verso 8) … Esse tipo de bhikkhu poderia iluminar esta Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga.’”

“Muito bem, muito bem, Sāriputta. Moggallāna, falando corretamente, deveria falar exatamente como ele falou. Pois Moggallāna é aquele que fala sobre o Dhamma.”

Quando isso foi dito, o venerável Mahā Moggallāna disse ao Abençoado: “Então, venerável senhor, eu me dirigi ao venerável Sāriputta assim: ‘Amigo Sāriputta … Que tipo de bhikkhu poderia iluminar a Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga?’ E o venerável Sāriputta respondeu: ‘Aqui, amigo Moggallāna, um bhikkhu exerce domínio sobre a sua mente … (igual ao verso 9) … Esse tipo de bhikkhu poderia iluminar esta Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga.’”

“Muito bem, muito bem, Moggallāna. Sāriputta, falando corretamente, deveria falar exatamente como ele falou. Pois Sāriputta exerce domínio sobre a sua mente, ele não permite que a mente exerça domínio sobre ele. Durante a manhã, ele permanece em qualquer estado ou realização que ele quiser; durante o meio do dia, ele permanece em qualquer estado ou realização que ele quiser; durante a noite, ele permanece em qualquer estado ou realização que ele quiser.”

Quando isso foi dito, o venerável Sāriputta perguntou ao Abençoado: “Venerável senhor, qual de nós falou bem?”

“Todos vocês falaram bem, Sāriputta, cada um a seu modo. Ouçam também de mim qual bhikkhu poderia iluminar esta Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga. Aqui, Sāriputta, um bhikkhu depois de haver esmolado comida, após a refeição, senta-se com as pernas cruzadas, mantém o corpo ereto e estabelece a atenção plena à sua frente, decidindo: ‘Eu não interromperei esta postura sentada até que através do desapego a minha mente esteja libertada das impurezas.’ Esse tipo de bhikkhu poderia iluminar esta Floresta de Árvores Sala de Gosiṅga.”

Isso foi o que disse o Abençoado. Aqueles veneráveis ficaram satisfeitos e contentes com as palavras do Abençoado.