Majjhima Nikāya 66

Laṭuki­kopama Sutta

O Símile da Codorna

Assim ouvi. Em certa ocasião o Abençoado estava entre os Aṅguttarāpas numa cidade denominada Apana.

Então, ao amanhecer, o Abençoado se vestiu e tomando a tigela e o manto externo, foi para Apana para esmolar alimentos. Depois de haver esmolado em Apana e de haver retornado, após a refeição ele foi até um certo bosque para passar o resto do dia. Tendo entrado no bosque, ele sentou à sombra de uma árvore.

Ao amanhecer, o venerável Udāyin se vestiu e tomando a tigela e o manto externo, ele também foi para Apana para esmolar alimentos. Depois de haver esmolado em Apana e de haver retornado, após a refeição ele foi até o mesmo bosque para passar o resto do dia. Tendo entrado no bosque, ele sentou à sombra de uma árvore.

Então, enquanto o venerável Udāyin estava só em meditação, o seguinte pensamento lhe ocorreu: “De quantos estados aflitivos o Abençoado nos libertou! Quantos estados prazerosos o Abençoado nos trouxe! De quantos estados prejudiciais o Abençoado nos libertou! Quantos estados benéficos o Abençoado nos trouxe!”

Então, ao anoitecer, o venerável Udāyin se levantou da meditação e foi até o Abençoado e depois de cumprimentá-lo sentou a um lado e disse:

“Aqui, venerável senhor, enquanto eu estava só em meditação, o seguinte pensamento me ocorreu: ‘De quantos estados aflitivos o Abençoado nos libertou! … Quantos estados benéficos o Abençoado nos trouxe!’ Venerável senhor, no passado costumávamos comer à noite, pela manhã e durante o dia, fora do horário apropriado. Então, houve uma ocasião em que o Abençoado se dirigiu aos bhikkhus da seguinte forma: ‘Bhikkhus por favor abandonem essa refeição durante o dia, fora do horário apropriado.’ Venerável senhor, eu fiquei preocupado e triste, pensando: ‘Chefes de Família dedicados nos dão bons alimentos de vários tipos durante o dia, fora do horário apropriado, no entanto, o Abençoado nos diz para abandonar isso, o Sublime nos diz para renunciar a isso.’ Com base no amor e respeito pelo Abençoado e pelo temor e vergonha de cometer uma transgressão, nós abandonamos aquela refeição durante o dia, fora do horário apropriado.

“Então apenas comíamos à noite e pela manhã. Então houve uma ocasião em que o Abençoado se dirigiu aos bhikkhus da seguinte forma: ‘Bhikkhus por favor abandonem essa refeição noturna, que está fora do horário apropriado.’ Venerável senhor, eu fiquei preocupado e triste, pensando: ‘O Abençoado nos diz para abandonar a mais suntuosa dentre as nossas duas refeições, o Sublime nos diz para renunciá-la.’ Certa vez, venerável senhor, um certo homem havia ganhado um tanto de sopa durante o dia e ele disse: ‘Coloquemos isso de lado para que comamos juntos à noite.’ [Quase] toda cocção é feita à noite, pouca durante o dia. Com base no amor e respeito pelo Abençoado e pelo temor e vergonha de cometer uma transgressão, nós abandonamos aquela refeição à noite fora do horário apropriado.

“Já aconteceu, venerável senhor, que bhikkhus perambulando por alimentos no negrume da noite acabaram caindo numa fossa, num esgoto, se meteram num arbusto espinhoso e tropeçaram numa vaca dormente; eles encontraram criminosos que já haviam cometido crime e aqueles que estavam planejando cometê-lo, e eles foram seduzidos por mulheres. Certa vez, venerável senhor, eu fui perambular por alimentos no negrume da noite. Uma mulher lavando um pote me viu através do clarão de um relâmpago e gritou horrorizada: ‘Piedade, o diabo veio me buscar!’ Eu lhe disse: ‘Irmã, eu não sou o diabo, eu sou um bhikkhu perambulando por alimentos’—‘Então é um bhikkhu cuja mãe e pai faleceram! Melhor, bhikkhu, que você tenha a sua barriga cortada por uma faca afiada de açougueiro do que essa ronda por esmolas no negrume da noite em benefício da sua barriga!’ Venerável senhor, quando recordo disso eu penso: ‘De quantos estados aflitivos o Abençoado nos libertou! Quantos estados prazerosos o Abençoado nos trouxe! De quantos estados prejudiciais o Abençoado nos libertou! Quantos estados benéficos o Abençoado nos trouxe!’”

“Da mesma forma, Udāyin, aqui há certos homens tolos e quando lhes digo, ‘Abandonem isso,’ dizem: ‘O quê, essa mera trivialidade, uma coisa tão insignificante como essa? Esse contemplativo é exigente demais!’ E eles não abandonam isso, eles demostram descortesia em relação a mim bem como em relação àqueles bhikkhus que desejam ser treinados. Para eles, essa coisa se torna um atilho forte, grosso, durável e resistente, e um grilhão pesado.

“Suponha, Udāyin, que uma codorna estivesse atada por uma trepadeira apodrecida e devido a isso ela pudesse esperar uma lesão, cativeiro ou morte. Agora suponha que alguém dissesse: ‘A trepadeira apodrecida pela qual essa codorna está atada, sendo que por causa dela ela pode esperar uma lesão, cativeiro ou morte, é para ela um atilho débil, fraco, podrido e vazio.’ Ele estaria falando corretamente?”

“Não, venerável senhor. Pois, para aquela codorna, a trepadeira apodrecida pela qual ela está atada, sendo que por causa dela ela pode esperar uma lesão, cativeiro ou morte, é um atilho forte, grosso, durável e resistente, e um grilhão pesado.”

“Da mesma forma, Udāyin, aqui há certos homens tolos e quando lhes digo ‘Abandonem isso,’ … não abandonam, eles demonstram descortesia em relação a mim bem como em relação àqueles bhikkhus que desejam ser treinados. Para eles, essa coisa se torna um atilho forte, grosso, durável e resistente e um grilhão pesado.

“Udāyin, aqui há certos membros de clãs e quando lhes digo ‘Abandonem isso,’ dizem: ‘O quê, essa mera trivialidade, uma coisa tão insignificante como essa o Abençoado nos diz para abandonar, o Sublime nos diz para renunciar.’ No entanto, eles abandonam isso e não demostram descortesia em relação a mim, nem em relação àqueles bhikkhus que desejam ser treinados. Ao abandonar isso, vivem em paz, serenos, subsistindo daquilo que os outros dão, permanecendo com a mente [desapegada] como um gamo selvagem. Para eles, essa coisa se torna um atilho débil, fraco, podrido e vazio.

“Suponha, Udāyin, que um elefante real com as presas tão longas quanto os eixos de uma carruagem, maduro em tamanho, com bom pedigree e acostumado às batalhas, fosse atado com fortes correias de couro, mas que só com uma pequena torcida de corpo ele pudesse romper e arrebentar as correias e depois pudesse ir aonde ele desejasse. Agora, suponha que alguém dissesse: ‘As fortes correias de couro pelas quais este elefante real está atado … são para ele um atilho forte, grosso, durável e resistente, e um grilhão pesado.’ Ele estaria falando da forma correta?”

“Não, venerável senhor. As fortes correias de couro pelas quais aquele elefante real está atado e que só com uma pequena torcida de corpo ele poderia rompê-las e arrebentá-las e depois poderia ir aonde ele desejasse, são para ele um atilho débil, fraco, podrido e vazio.”

“Da mesma forma, Udāyin, aqui há certos membros de clãs, e quando lhes digo ‘Abandonem isso,’ … abandonam isso, eles não demostram descortesia em relação a mim, nem em relação àqueles bhikkhus que desejam ser treinados. Ao abandonar isso, vivem em paz, serenos, subsistindo daquilo que os outros dão, permanecendo com a mente [desapegada] como um gamo selvagem. Para eles, essa coisa se torna um atilho débil, fraco, podrido e vazio.

“Suponha, Udāyin, que houvesse um homem pobre, sem dinheiro, destituído e que ele tivesse uma cabana dilapidada aberta aos corvos, não do melhor tipo, e um estrado trançado dilapidado, não do melhor tipo, e um pouco de grãos e sementes de abóbora num pote, não do melhor tipo, e uma bruxa como esposa, não do melhor tipo. Pode ser que ele visse um bhikkhu num parque dum monastério sentado à sombra de uma árvore, com as mãos e os pés bem lavados depois de ter comido uma refeição deliciosa, dedicando-se à mente superior. Ele poderia pensar: ‘Que prazerosa é a situação daquele contemplativo! Que saudável é a situação daquele contemplativo! Se eu pudesse raspar o meu cabelo e barba, vestir o manto de cor ocre e deixar a vida em família para seguir a vida santa!’ Mas sendo incapaz de abandonar a sua cabana dilapidada aberta aos corvos, não do melhor tipo, incapaz de abandonar o seu estrado trançado dilapidado, não do melhor tipo, incapaz de abandonar o seu pouco de grãos e sementes de abóbora num pote, não do melhor tipo, incapaz de abandonar a sua bruxa como esposa, não do melhor tipo, ele é incapaz de raspar o cabelo e barba, vestir o manto de cor ocre e deixar a vida em família para seguir a vida santa. Agora, suponha que alguém dissesse: ‘Os atilhos pelos quais aquele homem está atado, de modo que ele não é capaz de abandonar a sua cabana dilapidada … e a sua bruxa como esposa, não do melhor tipo, e de raspar o cabelo e barba, vestir o manto de cor ocre e deixar a vida em família para seguir a vida santa—para ele, eles são um atilho débil, fraco, podrido e vazio.’ Ele estaria falando da forma correta?”

“Não, venerável senhor. Os atilhos pelos quais aquele homem está atado, de modo que ele não é capaz de abandonar a sua cabana dilapidada … e a sua bruxa como esposa, não do melhor tipo, e de raspar o cabelo e barba, vestir o manto de cor ocre e deixar a vida em família para seguir a vida santa—para ele, eles são um atilho forte, grosso, durável e resistente, e um grilhão pesado.”

“Da mesma forma, Udāyin, aqui há certos homens tolos e quando lhes digo ‘Abandonem isso,’ … não abandonam, eles demonstram descortesia em relação a mim bem como em relação àqueles bhikkhus que desejam ser treinados. Para eles, essa coisa se torna um atilho forte, grosso, durável e resistente, e um grilhão pesado.

“Suponha, Udāyin, que houvesse um rico chefe de familia ou filho de um chefe de familia, com grande riqueza e posses, com uma grande quantidade de barras de ouro, uma grande quantidade de celeiros, uma grande quantidade de campos, uma grande extensão de terras, inúmeras esposas e uma grande quantidade de escravos e escravas. Pode ser que ele visse um bhikkhu num parque dum monastério sentado à sombra de uma árvore, com as mãos e os pés bem lavados depois de ter comido uma refeição deliciosa, dedicando-se à mente superior. Ele poderia pensar: ‘Que prazerosa é a situação daquele contemplativo! Que saudável é a situação daquele contemplativo! Se eu pudesse raspar o meu cabelo e barba, vestir o manto de cor ocre e deixar a vida em família para seguir a vida santa!’ E sendo capaz de abandonar as suas inúmeras barras de ouro, abandonar os seus inúmeros celeiros, abandonar os seus inúmeros campos, abandonar a sua grande extensão de terras, abandonar as suas inúmeras esposas e abandonar os seus inúmeros escravos e escravas, ele é capaz de raspar o seu cabelo e barba, vestir o manto de cor ocre e deixar a vida em família para seguir a vida santa. Agora, suponha que alguém dissesse: ‘Os atilhos pelos quais aquele homem está atado, de modo que ele é capaz de abandonar as suas inúmeras barras de ouro … os seus inúmeros escravos e escravas, e raspar o seu cabelo e barba, vestir o manto de cor ocre e deixar a vida em família para seguir a vida santa—para ele, eles são um atilho forte, grosso, durável e resistente.’ Ele estaria falando da forma correta?”

“Não, venerável senhor. Os atilhos pelos quais aquele homem está atado, de modo que ele é capaz de abandonar as suas inúmeras barras de ouro … os seus inúmeros escravos e escravas, e raspar o seu cabelo e barba, vestir o manto de cor ocre e deixar a vida em família para seguir a vida santa—para ele, eles são um atilho débil, fraco, podrido e vazio.”

“Da mesma forma, Udāyin, aqui há certos membros de clãs, e quando lhes digo ‘Abandonem isso,’ … abandonam isso, eles não demonstram descortesia em relação a mim, nem em relação àqueles bhikkhus que desejam ser treinados. Ao abandonar isso, vivem em paz, serenos, subsistindo daquilo que os outros dão, permanecendo com a mente [desapegada] como um gamo selvagem. Para eles, essa coisa se torna um atilho débil, fraco, podrido e vazio.

“Udāyin, existem quatro tipos de pessoas que podem ser encontradas no mundo. Quais quatro?

“Aqui, Udāyin, certa pessoa pratica o caminho para o abandono das aquisições, para a renúncia às aquisições. Enquanto ela está assim praticando, memórias e intenções associadas com as aquisições a incomodam. Ela as tolera; ela não as abandona, não as remove, não as elimina e não as aniquila. Tal pessoa eu chamo de presa por grilhões, não livre de grilhões. Por que isso? Porque eu conheço a diversidade particular das faculdades nessa pessoa.

“Aqui, Udāyin, certa pessoa pratica o caminho para o abandono das aquisições para a renúncia às aquisições. Enquanto ela está assim praticando, memórias e intenções associadas com as aquisições a incomodam. Ela não as tolera; ela as abandona, remove, elimina e aniquila. Tal pessoa também, eu chamo de presa por grilhões, não livre de grilhões. Por que isso? Porque eu conheço a diversidade particular das faculdades nessa pessoa.

“Aqui, Udāyin, certa pessoa pratica o caminho para o abandono das aquisições para a renúncia às aquisições. Enquanto ela está assim praticando, memórias e intenções associadas com as aquisições a incomodam de vez em quando devido a lapsos na atenção plena. A sua atenção plena pode ser lenta no seu surgimento, mas ela rapidamente as abandona, remove, elimina e aniquila. Como se um homem deixasse cair duas ou três gotas d’água sobre uma chapa de ferro aquecida durante todo um dia, a queda das gotas poderia ser lenta mas elas se vaporizariam rapidamente e desapareceriam. Da mesma forma, aqui certa pessoa pratica o caminho … A sua atenção plena pode ser lenta no seu surgimento, mas ela rapidamente as abandona, remove, elimina e aniquila. Tal pessoa eu também chamo de presa por grilhões, não livre de grilhões. Por que isso? Porque eu conheço a diversidade particular das faculdades nessa pessoa.

“Aqui, Udāyin, certa pessoa, tendo compreendido que as aquisições são a raiz do sofrimento, se livra das aquisições e é libertada através da destruição das aquisições. Tal pessoa eu chamo de livre de grilhões e não presa por grilhões. Por que isso? Porque eu conheço a diversidade particular das faculdades nessa pessoa.

“Existem, Udāyin, esses cinco elementos do prazer sensual. Quais cinco? Formas conscientizadas através do olho que são desejáveis, agradáveis e fáceis de serem gostadas, conectadas com o desejo sensual e que provocam a cobiça. Sons conscientizados através do ouvido … Aromas conscientizados através do nariz … Sabores conscientizados através da língua … Tangíveis conscientizados através do corpo que são desejáveis, agradáveis e fáceis de serem gostados, conectados com o desejo sensual e que provocam a cobiça. Esses são os cinco elementos do prazer sensual.

“Agora, Udāyin, o prazer e a alegria que surge na dependência desses cinco elementos do prazer sensual é chamado de prazer sensual—um prazer baixo, um prazer grosseiro, um prazer ignóbil. Eu digo desse tipo de prazer que não deve ser buscado, não deve ser desenvolvido, não deve ser cultivado e que deve ser temido.

“Agora, Udāyin, afastado dos prazeres sensuais, afastado das qualidades não hábeis, um bhikkhu entra e permanece no primeiro jhāna … abandonando o pensamento aplicado e sustentado, um bhikkhu entra e permanece no segundo jhāna … abandonando o êxtase … um bhikkhu entra e permanece no terceiro jhāna … com o completo desaparecimento da felicidade … um bhikkhu entra e permanece no quarto jhāna …

“Isto é chamado de felicidade da renúncia, a felicidade do afastamento, a felicidade da paz, a felicidade da iluminação. Eu digo desse tipo de prazer que ele deve ser buscado, deve ser desenvolvido, deve ser cultivado e que não deve ser temido.

“Aqui, Udāyin, afastado dos prazeres sensuais, afastado das qualidades não hábeis, um bhikkhu entra e permanece no primeiro jhāna … Agora isso, eu digo, faz parte do perturbável. E nisso, o que faz parte do perturbável? O pensamento aplicado e sustentado que ainda não cessou, isso é o que faz parte do perturbável.

“Aqui, Udāyin, abandonando o pensamento aplicado e sustentado, um bhikkhu entra e permanece no segundo jhāna … Agora isto, eu digo, também faz parte do perturbável. E nisso, o que faz parte do perturbável? O êxtase e a felicidade que ainda não cessaram, isso é o que faz parte do perturbável.

“Aqui, Udāyin, abandonando o êxtase … um bhikkhu entra e permanece no terceiro jhāna … Agora isto, eu digo, também faz parte do perturbável. E nisso, o que faz parte do perturbável? A equanimidade e a felicidade que ainda não cessaram, isso é o que faz parte do perturbável.

“Aqui, Udāyin, com o completo desaparecimento da felicidade … um bhikkhu entra e permanece no quarto jhāna … Agora isto, eu digo, faz parte do imperturbável.

“Aqui, Udāyin, afastado dos prazeres sensuais, afastado das qualidades não hábeis, um bhikkhu entra e permanece no primeiro jhāna … Isso, eu digo, não é o bastante. Abandone isso, eu digo; supere isso, eu digo. E o que supera isso?

“Aqui, Udāyin, abandonando o pensamento aplicado e sustentado, um bhikkhu entra e permanece no segundo jhāna … Isso supera aquilo. Mas isso também, eu digo, não é o bastante. Abandone isso, eu digo; supere isso, eu digo. E o que supera isso?

“Aqui, Udāyin, abandonando o êxtase … um bhikkhu entra e permanece no terceiro jhāna … Isso supera aquilo. Mas isso também, eu digo, não é o bastante. Abandone isso, eu digo; supere isso, eu digo. E o que supera isso?

“Aqui, Udāyin, com o completo desaparecimento da felicidade … um bhikkhu entra e permanece no quarto jhāna … Isso supera aquilo. Mas isso também, eu digo, não é o bastante. Abandone isso, eu digo; supere isso, eu digo. E o que supera isso?

“Aqui, Udāyin, com a completa superação das percepções da forma, com o desaparecimento das percepções do contato sensorial, sem dar atenção às percepções da diversidade, consciente de que o ‘espaço é infinito,’ um bhikkhu entra e permanece na base do espaço infinito. Isso supera aquilo. Mas isso também, eu digo, não é o bastante. Abandone isso, eu digo; supere isso, eu digo. E o que supera isso?

“Aqui, Udāyin, com a completa superação da base do espaço infinito, consciente de que a ‘consciência é infinita,’ um bhikkhu entra e permanece na base da consciência infinita. Isso supera aquilo. Mas isso também, eu digo, não é o bastante. Abandone isso, eu digo; supere isso, eu digo. E o que supera isso?

“Aqui, Udāyin, com a completa superação da base da consciência infinita, consciente de que ‘não há nada,’ um bhikkhu entra e permanece na base do nada. Isso supera aquilo. Mas isso também, eu digo, não é o bastante. Abandone isso, eu digo; supere isso, eu digo. E o que supera isso?

“Aqui, Udāyin, com a completa superação da base do nada, um bhikkhu entra e permanece na base da nem percepção, nem não percepção. Isso supera aquilo. Mas isso também, eu digo, não é o bastante. Abandone isso, eu digo; supere isso, eu digo. E o que supera isso?

“Aqui, Udāyin, com a completa superação da base da nem percepção, nem não percepção, um bhikkhu entra e permanece na cessação da percepção e sensação. Isso supera aquilo. Portanto, eu digo, para abandonar até mesmo a base da nem percepção, nem não percepção. Você vê, Udāyin, algum grilhão, pequeno ou grande, cujo abandono eu não afirme?”

“Não, venerável senhor.”

Isso foi o que disse o Abençoado. O venerável Udāyin ficou satisfeito e contente com as palavras do Abençoado.