Majjhima Nikāya 69

Gulissāni Sutta

Gulissāni

Assim ouvi. Em certa ocasião,o Abençoado estava em Rājagaha, no Bambual, no Santuário dos Esquilos.

Agora, naquela ocasião um bhikkhu chamado Gulissāni, que habitava nas florestas, de comportamento negligente, veio visitar e ficar com a Saṅgha para tratar de alguns assuntos. O venerável Sāriputta se dirigiu aos bhikkhus com referência ao bhikkhu Gulissāni da seguinte forma:

“Amigos, quando um bhikkhu que habita nas florestas vem para a Saṅgha e está vivendo junto com a Saṅgha, ele deveria ter respeito e deferência para com os seus companheiros na vida santa. Se ele não tiver respeito e deferência para com os seus companheiros na vida santa, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, visto que ele não tem respeito e deferência para com os seus companheiros na vida santa?’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas, que veio para a Saṅgha e está vivendo junto com a Saṅgha, deveria ter respeito e deferência para com os seus companheiros na vida santa.

“Quando um bhikkhu que habita nas florestas vem para a Saṅgha e está vivendo junto com a Saṅgha, ele deveria ser proficiente no bom comportamento relativo a assentos da seguinte forma: ‘Eu sentarei de tal modo que não invada o espaço dos bhikkhus sêniores e não negue um assento aos bhikkhus júniores.’ Se ele não for proficiente no bom comportamento relativo a assentos, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, visto que ele nem mesmo sabe o que é bom comportamento?’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas, que veio para a Saṅgha e está vivendo junto com a Saṅgha, deveria ser proficiente no bom comportamento relativo a assentos.

“Quando um bhikkhu que habita nas florestas vem para a Saṅgha e está vivendo junto com a Saṅgha, ele não deve entrar no vilarejo muito cedo ou regressar no fim do dia. Se ele entrar no vilarejo muito cedo e regressar no fim do dia, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, visto que ele ele entra no vilarejo muito cedo e regressa no fim do dia?’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas, que veio para a Saṅgha e está vivendo junto com a Saṅgha, não deve entrar no vilarejo muito cedo ou regressar no fim do dia.

“Quando um bhikkhu que habita nas florestas vem para a Saṅgha e está vivendo junto com a Saṅgha, ele não deve visitar famílias antes da refeição ou depois da refeição. Se ele for visitar famílias antes da refeição ou depois da refeição, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, ele deve estar acostumado a fazer visitas fora de hora, visto que ele assim se comporta quando está na Saṅgha.’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas, que veio para a Saṅgha e está vivendo junto com a Saṅgha, não deve visitar famílias antes da refeição ou depois da refeição.

“Quando um bhikkhu que habita nas florestas vem para a Saṅgha e está vivendo junto com a Saṅgha, ele não deve ser arrogante e vaidoso. Se ele for arrogante e vaidoso, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, ele deve em geral ser arrogante e vaidoso, visto que ele assim se comporta quando está na Saṅgha.’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas, que veio para a Saṅgha e está vivendo junto com a Saṅgha, não deve ser arrogante e vaidoso.

“Quando um bhikkhu que habita nas florestas, vem para a Saṅgha e está vivendo junto com a Saṅgha, ele não deve falar de forma grosseira e frívola. Se ele falar de forma grosseira e frívola, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, visto que ele fala de forma grosseira e frívola?’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas, que veio para a Saṅgha e está vivendo junto com a Saṅgha, não deve falar de forma grosseira e frívola.

“Quando um bhikkhu que habita nas florestas vem para a Saṅgha e está vivendo junto com a Saṅgha, ele deve ser fácil de ser corrigido e deve se associar com bons amigos. Se ele for difícil de ser corrigido e se associar com maus amigos, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, visto que ele é difícil de ser corrigido e se associa com maus amigos?’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas, que veio para a Saṅgha e está vivendo junto com a Saṅgha, deve ser fácil de ser corrigido e deve se associar com bons amigos.

“Um bhikkhu que habita nas florestas deve guardar as portas dos meios dos sentidos. Se ele não guardar as portas dos meios dos sentidos, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas a ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, visto que ele não guarda as portas dos meios dos sentidos?’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas deve guardar as suas portas dos meios dos sentidos.

“Um bhikkhu que habita nas florestas deve ser moderado ao comer. Se ele não for moderado ao comer, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, visto que ele não é moderado ao comer?’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas deve ser moderado ao comer.

“Um bhikkhu que habita nas florestas deve ser dedicado à vigilância. Se ele não for dedicado à vigilância, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, visto que ele não é dedicado à vigilância?’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas deve ser dedicado à vigilância.

“Um bhikkhu que habita nas florestas deve ser energético. Se ele não for energético, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, visto que ele é preguiçoso?’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas deve ser energético.

“Um bhikkhu que habita nas florestas deve ter a atenção plena estabelecida. Se ele for desatento, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, visto que ele é desatento?’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas deve ter a atenção plena estabelecida.

“Um bhikkhu que habita nas florestas deve ter concentração. Se ele não tiver concentração, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, visto que ele não tem concentração?’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas deve ter concentração.

“Um bhikkhu que habita nas florestas deve ser sábio. Se ele não for sábio, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, visto que ele não é sábio?’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas deve ser sábio.

“Um bhikkhu que habita nas florestas deve se dedicar ao Dhamma superior e à Disciplina superior, Se ele não se dedicar ao Dhamma superior e à Disciplina superior, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, visto que ele não se dedica ao Dhamma superior e à Disciplina superior?’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas deve se dedicar ao Dhamma superior e à Disciplina superior.

“Um bhikkhu que habita nas florestas deve se dedicar àquelas libertações que são pacíficas e imateriais, que transcendem as formas; pois há aqueles que indagam de um bhikkhu que habita nas florestas questões sobre as libertações que são pacíficas e imateriais, que transcendem as formas. Se ele não se dedicar a essas libertações, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, visto que ele não se dedica a essas libertações que são pacíficas e imateriais, que transcendem as formas?’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas deve se dedicar a essas libertações que são pacíficas e imateriais, que transcendem as formas.

“Um bhikkhu que habita nas florestas deve se dedicar aos estados supra-humanos, pois há aqueles que indagam de um bhikkhu que habita nas florestas questões sobre os estados supra-humanos. Se ele não se dedicar a esses estados, haverá aqueles que dirão: ‘O que esse venerável que habita nas florestas ganhou ao viver sozinho na floresta, fazendo o que quer, visto que ele não se dedica aos estados supra-humanos?’ Posto que haveria aqueles que diriam isso dele, um bhikkhu que habita nas florestas deve se dedicar aos estados supra-humanos.”

Quando isso foi dito, o venerável Mahā Moggallāna perguntou ao venerável Sāriputta: “Amigo Sāriputta, essas coisas devem ser adotadas e praticadas apenas por um bhikkhu que habita nas florestas ou por um bhikkhu que habita na cidade também?”

“Amigo Moggallāna, essas coisas devem ser adotadas e praticadas não apenas por um bhikkhu que habita nas florestas, mas também por um bhikkhu que habita na cidade.”