Majjhima Nikāya 93

Assalāyana Sutta

Para Assalāyana

Assim ouvi. Em certa ocasião o Abençoado estava em Sāvatthī no Bosque de Jeta, no Parque de Anātha­piṇḍika.

Agora, naquela ocasião quinhentos brâmanes de várias regiões estavam em Sāvatthī para tratar de negócios. Então aqueles brâmanes pensaram: “Esse contemplativo Gotama descreve a purificação para todas as quatro castas. Quem seria capaz de debater com ele sobre essa afirmação?”

Agora, naquela ocasião um estudante brâmane chamado Assalāyana estava em Sāvatthī. Jovem, com a cabeça raspada, com dezesseis anos de idade, ele era um mestre dos três Vedas com os seus mantras, liturgia, fonologia e etimologia e as histórias como quinto elemento; hábil em filologia e gramática, um perito em filosofia natural e nas marcas de um grande homem. Então os brâmanes pensaram: “Aí está em Sāvatthī esse jovem estudante brâmane chamado Assalāyana. Jovem … um perito em filosofia natural e nas marcas de um grande homem. Ele será capaz de debater com o contemplativo Gotama sobre essa afirmação.”

Assim os brâmanes foram até o estudante brâmane Assalāyana e disseram: “Mestre Assalāyana, esse contemplativo Gotama descreve a purificação para todas as quatro castas. Que o Mestre Assalāyana venha e debata com o contemplativo Gotama sobre essa afirmação.”

Quando isso foi dito, o estudante brâmane Assalāyana respondeu: “Senhores, o contemplativo Gotama é aquele que fala o Dhamma. Agora, é difícil o debate com aqueles que falam o Dhamma. Eu não sou capaz de debater sobre essa afirmação com o contemplativo Gotama.”

Pela segunda vez os brâmanes lhe disseram: “Mestre Assalāyana, esse contemplativo Gotama descreve a purificação para todas as quatro castas. Que o Mestre Assalāyana venha e debata com o contemplativo Gotama sobre essa afirmação. Pois o treinamento de um errante foi completado pelo Mestre Assalāyana.”

Pela segunda vez o estudante brâmane Assalāyana respondeu: “Senhores, o contemplativo Gotama é aquele que fala o Dhamma. Agora, é difícil o debate com aqueles que falam o Dhamma. Eu não sou capaz de debater sobre essa afirmação com o contemplativo Gotama.”

Pela terceira vez os brâmanes lhe disseram: “Mestre Assalāyana, esse contemplativo Gotama descreve a purificação para todas as quatro castas. Que o Mestre Assalāyana venha e debata com o contemplativo Gotama sobre essa afirmação. Pois o treinamento de um errante foi completado pelo Mestre Assalāyana. Que o Mestre Assalāyana não se deixe derrotar sem sequer ter lutado a batalha.”

Quando isso foi dito, o estudante brâmane Assalāyana respondeu: “Senhores, o contemplativo Gotama é aquele que fala o Dhamma. Agora, é difícil o debate com aqueles que falam o Dhamma. Eu não sou capaz de debater sobre essa afirmação com o contemplativo Gotama. Apesar disso, senhores, atendendo à sua ordem, eu irei.”

Então o estudante brâmane Assalāyana foi com um grande número de brâmanes até o Abençoado e ambos se cumprimentaram. Quando a conversa cortês e amigável havia terminado, ele sentou a um lado e disse para o Abençoado:

“Mestre Gotama, os brâmanes dizem o seguinte: ‘A casta dos Brâmanes é a casta superior, outras castas são inferiores; a casta dos Brâmanes tem a tez clara, as outras castas têm a tez escura; os Brâmanes são purificados, os não Brâmanes não são; os Brâmanes são os verdadeiros filhos de Brahmā, nascidos da boca dele, nascidos de Brahmā, criados por Brahmā, herdeiros de Brahmā.’ O que o Mestre Gotama diz disso?”

“Mas, Assalāyana, podemos ver as mulheres brâmanes, as esposas dos brâmanes, que menstruam e engravidam, têm bebês e os amamentam. E no entanto aqueles que nascem dos ventres das mulheres brâmanes dizem o seguinte: ‘A casta dos Brâmanes é a casta superior … os Brâmanes são os verdadeiros filhos de Brahmā, nascidos da boca dele, nascidos de Brahmā, criados por Brahmā, herdeiros de Brahmā.’”

“Embora o Mestre Gotama diga isso, ainda assim os brâmanes pensam: ‘A casta dos Brâmanes é a casta superior … herdeiros de Brahmā.’”

“O que você pensa, Assalāyana? Você ouviu que em Yonā e Kambojā e em outros países estrangeiros existem apenas duas castas, senhores e escravos, e que os senhores se tornam escravos e os escravos se tornam senhores?”

“Assim ouvi, senhor.”

“Então com base em qual argumento ou apoiados em que poder os brâmanes nesse caso dizem isto: ‘A casta dos Brâmanes é a casta superior … herdeiros de Brahmā?’”

“Embora o Mestre Gotama diga isso, ainda assim os brâmanes pensam: ‘A casta dos Brâmanes é a casta superior … herdeiros de Brahmā.’”

“O que você pensa, Assalāyana? Suponha que um nobre matasse seres vivos, tomasse aquilo que não lhe foi dado, se portasse de maneira imprópria em relação aos prazeres sensuais, falasse mentiras, falasse de forma maliciosa, falasse de forma grosseira, falasse de forma frívola, fosse cobiçoso, tivesse uma mente com má vontade e tivesse entendimento incorreto. Na dissolução do corpo, após a morte, apenas ele teria a possibilidade de renascer num estado de privação, num destino infeliz, nos reinos inferiores, até mesmo no inferno—e não um brâmane? Suponha que um comerciante … um trabalhador matasse seres vivos … e tivesse entendimento incorreto. Na dissolução do corpo, após a morte, apenas ele teria a possibilidade de renascer num estado de privação, num destino infeliz, nos reinos inferiores, até mesmo no inferno—e não um brâmane?”

“Não, Mestre Gotama. Quer seja um nobre ou um brâmane, ou um comerciante, ou um trabalhador—todos aqueles das quatro castas que matam seres vivos … e tenham entendimento incorreto, na dissolução do corpo, após a morte, têm a possibilidade de renascer num estado de privação, num destino infeliz, nos reinos inferiores, até mesmo no inferno.”

“Então com base em qual argumento ou apoiados em que poder os brâmanes nesse caso dizem isto: ‘A casta dos Brâmanes é a casta superior … herdeiros de Brahmā?’”

“Embora o Mestre Gotama diga isso, ainda assim os brâmanes pensam: ‘A casta dos Brâmanes é a casta superior … herdeiros de Brahmā.’”

“O que você pensa, Assalāyana? Suponha que um brâmane se abstivesse de matar seres vivos, de tomar aquilo que não foi dado, de se portar de maneira imprópria em relação aos prazeres sensuais, de falar mentiras, de falar de forma maliciosa, de falar de forma grosseira, de falar de forma frívola, e não fosse cobiçoso, nem tivesse uma mente com má vontade e tivesse entendimento correto. Na dissolução do corpo, após a morte, apenas ele teria a possibilidade de renascer num destino feliz, até mesmo no paraíso—e não um nobre, ou um comerciante, ou um trabalhador?”

“Não, Mestre Gotama. Quer seja um nobre ou um brâmane, ou um comerciante, ou um trabalhador—todos aqueles das quatro castas que se abstêm de matar seres vivos … e têm entendimento correto, na dissolução do corpo, após a morte, têm a possibilidade de renascer num destino feliz, até mesmo no paraíso.”

“Então com base em qual argumento ou apoiados em que poder os brâmanes nesse caso dizem isto: ‘A casta dos Brâmanes é a casta superior … herdeiros de Brahmā?’”

“Embora o Mestre Gotama diga isso, ainda assim os brâmanes pensam: ‘A casta dos Brâmanes é a casta superior … herdeiros de Brahmā.’”

“O que você pensa, Assalāyana? Apenas um brâmane é capaz de desenvolver uma mente imbuída de amor bondade para com uma certa região, sem hostilidade e sem má vontade, e não um nobre, ou um comerciante, ou um trabalhador?”

“Não, Mestre Gotama. Quer seja um nobre ou um brâmane, ou um comerciante, ou um trabalhador—todos aqueles das quatro castas são capazes de desenvolver uma mente imbuída de amor bondade para com uma certa região, sem hostilidade e sem má vontade.”

“Então com base em qual argumento ou apoiados em que poder os brâmanes nesse caso dizem isto: ‘A casta dos Brâmanes é a casta superior … herdeiros de Brahmā?’”

“Embora o Mestre Gotama diga isso, ainda assim os brâmanes pensam: ‘A casta dos Brâmanes é a casta superior … herdeiros de Brahmā.’”

“O que você pensa, Assalāyana? Apenas um brâmane é capaz de tomar uma esponja e sabão, ir até o rio e limpar o pó e a sujeira, e não um nobre, ou um comerciante, ou um trabalhador?”

“Não, Mestre Gotama. Quer seja um nobre, ou um brâmane, ou um comerciante, ou um trabalhador—todos aqueles das quatro castas são capazes de tomar uma esponja e sabão, ir até o rio e limpar o pó e a sujeira.”

“Então com base em qual argumento ou apoiados em que poder os brâmanes nesse caso dizem isto: ‘A casta dos Brâmanes é a casta superior … herdeiros de Brahmā?’”

“Embora o Mestre Gotama diga isso, ainda assim os brâmanes pensam: ‘A casta dos Brâmanes é a casta superior … herdeiros de Brahmā.’”

“O que você pensa, Assalāyana? Suponha que um nobre rei ungido reunisse aqui cem homens com nascimentos díspares e lhes dissesse: ‘Venham, senhores, que qualquer um aqui que tenha nascido num clã nobre ou num clã brâmane, ou num clã real, tome um graveto para acender um fogo da madeira de uma árvore sala, de uma árvore salaḷa, de uma árvore de sândalo ou de uma árvore padumaka, acenda um fogo e produza calor. E também que todos aqueles que tenham nascido numa família de sudras, de cesteiros de bambu, de caçadores, de consertadores de carruagens ou de lixeiros, tome um graveto para acender um fogo feito da madeira da gamela de um cão, da gamela de um porco, de um depósito de lixo ou da madeira de uma mamoneira, acenda um fogo e produza calor.’

“O que você pensa, Assalāyana? Quando um fogo é acendido e o calor é produzido por alguém do primeiro grupo, esse fogo teria uma chama, uma cor e uma luminosidade, e seria possível usá-lo para a finalidade de um fogo, enquanto que quando um fogo é acendido e o calor é produzido por alguém do segundo grupo, esse fogo não teria chama, nem cor e nem luminosidade e não seria possível usá-lo para a finalidade de um fogo?”

“Não, Mestre Gotama. Quando um fogo é acendido e o calor é produzido por alguém do primeiro grupo, esse fogo teria uma chama, uma cor e uma luminosidade, e seria possível usá-lo para a finalidade de um fogo. E quando um fogo é acendido e o calor é produzido por alguém do segundo grupo, esse fogo teria uma chama, uma cor e uma luminosidade e seria possível usá-lo para a finalidade de um fogo. Pois todo fogo possui uma chama, cor e luminosidade, e é possível usar qualquer fogo para a finalidade de um fogo.”

“Então com base em qual argumento ou apoiados em que poder os brâmanes nesse caso dizem isto: ‘A casta dos Brâmanes é a casta superior … herdeiros de Brahmā?’”

“Embora o Mestre Gotama diga isso, ainda assim os brâmanes pensam: ‘A casta dos Brâmanes é a casta superior … herdeiros de Brahmā.’”

“O que você pensa, Assalāyana? Suponha que um jovem nobre casasse com uma jovem brâmane e um filho nascesse dessa união. Deveria um filho nascido de um jovem nobre e de uma jovem brâmane ser chamado de nobre de acordo com o pai ou de brâmane de acordo com a mãe?”

“Ele poderia ter os dois títulos, Mestre Gotama.”

“O que você pensa, Assalāyana? Suponha que um jovem brâmane casasse com uma jovem nobre e um filho nascesse dessa união. Deveria um filho nascido de um jovem brâmane e de uma jovem nobre ser chamado de brâmane de acordo com o pai ou de nobre de acordo com a mãe?”

“Ele poderia ter os dois títulos, Mestre Gotama.”

“O que você pensa, Assalāyana? Suponha que uma égua se acasalasse com um burro e como resultado ela parisse um potro. O potro deveria ser chamado um cavalo de acordo com a mãe ou um burro de acordo com o pai?”

“Seria uma mula, Mestre Gotama, visto que não pertence a nenhuma das duas espécies. Eu vejo a diferença neste último caso, mas não vejo diferença em nenhum dos casos anteriores.”

“O que você pensa, Assalāyana? Suponha que houvessem dois estudantes brâmanes que fossem irmãos, nascidos da mesma mãe, um estudioso e afiado, e o outro nem estudioso nem afiado. Qual dos dois seria alimentado primeiro pelos brâmanes num banquete funerário ou numa oferenda cerimonial de arroz com leite, ou num banquete sacrificatório, ou num banquete para convidados?”

“Em tais ocasiões, os brâmanes alimentariam primeiro aquele que fosse estudioso e afiado, Mestre Gotama; pois como poderia aquilo que é dado para aquele que não é nem estudioso nem afiado produzir grandes frutos?”

“O que você pensa, Assalāyana? Suponha que houvessem dois estudantes brâmanes que fossem irmãos, nascidos da mesma mãe, um estudioso e afiado, mas imoral e mau caráter, e o outro nem estudioso nem afiado, mas virtuoso e bom caráter. Qual dos dois seria alimentado primeiro pelos brâmanes num banquete funerário ou numa oferenda cerimonial de arroz com leite, ou num banquete sacrificatório, ou num banquete para convidados?”

“Em tais ocasiões, os brâmanes alimentariam primeiro aquele que não fosse nem estudioso e nem afiado, mas virtuoso e de bom caráter, Mestre Gotama; pois como poderia aquilo que é dado para aquele que é imoral e mau caráter produzir grandes frutos?”

“Primeiro, Assalāyana, você tomou uma posição com base no nascimento, e depois você tomou uma posição com base no aprendizado das escrituras e depois disso você passou a tomar uma posição baseada na purificação que é válida para todas as quatro castas, tal como eu a descrevo.”

Quando isto foi dito, o estudante brâmane Assalāyana permaneceu sentado em silêncio, consternado, com os ombros caídos e a cabeça baixa, deprimido e sem resposta. Então, vendo isso, o Abençoado lhe disse:

“Certa vez, Assalāyana, enquanto sete videntes brâmanes estavam habitando na floresta em cabanas cobertas com folhas, a seguinte idéia perniciosa surgiu neles: ‘A casta dos Brâmanes é a casta superior … herdeiros de Brahmā.’ Agora, o vidente Devala, o Negro, ouviu isso. Ele arrumou o cabelo e a barba, se vestiu com os mantos de cor ocre, calçou sandálias grossas, e tomando um bastão feito de ouro, apareceu no pátio onde estavam os sete videntes brâmanes. Então, enquanto caminhava para cá e para lá no pátio dos sete videntes brâmanes, o vidente brâmane Devala, o Negro, disse o seguinte: ‘Onde foram aqueles dignos videntes brâmanes? Onde foram aqueles dignos videntes brâmanes?’ Então os sete videntes brâmanes pensaram: ‘Quem está caminhando para cá e para lá no pátio dos sete videntes brâmanes como um aldeão rústico dizendo isto: “Onde foram aqueles dignos videntes brâmanes? Onde foram aqueles dignos videntes brâmanes?” Vamos amaldiçoá-lo!’ Então os sete videntes brâmanes amaldiçoaram o vidente Devala, o Negro, da seguinte forma: ‘Converta-se em cinzas, aviltado! Converta-se em cinzas, aviltado!’ Mas quanto mais os sete videntes brâmanes o amaldiçoavam, mais atraente, belo e formoso o vidente Devala, o Negro, se tornava. Então os sete videntes brâmanes pensaram: ‘O nosso ascetismo é em vão, a nossa vida santa infrutífera; pois antes quando amaldiçoávamos alguém assim: “Converta-se em cinzas, aviltado! Converta-se em cinzas, aviltado!” ele sempre se convertia em cinzas; mas quanto mais amaldiçoamos este aqui, mais atraente, belo e formoso ele se torna.’

“‘O seu ascetismo não é em vão, senhores, a sua vida santa não é infrutífera. Mas, senhores, coloquem de lado a sua raiva por mim.’

“‘Nós colocamos de lado nossa raiva por você, senhor. Quem é você?’

“‘Vocês ouviram falar do vidente Devala, o Negro, senhores?’—‘Sim, senhor.’—‘Sou eu, senhores.’

“Então os sete videntes brâmanes foram até Devala, o Negro, e o homenagearam. Então ele disse: ‘Senhores, eu ouvi que enquanto sete videntes brâmanes estavam habitando na floresta em cabanas cobertas com folhas, a seguinte idéia perniciosa surgiu neles: “A casta dos Brâmanes é a casta superior … herdeiros de Brahmā.’”—‘Assim é, senhor.’

“‘Mas, senhores, vocês sabem se a mãe que lhes deu à luz teve relações apenas com um brâmane e nunca com um não brâmane?’—‘Não, senhor.’

“‘Mas, senhores, vocês sabem se a mãe da mãe deles regressando até sete gerações teve relações apenas com um brâmane e nunca com um não brâmane?’—‘Não, senhor.’

“‘Mas, senhores, vocês sabem se o pai que os gerou teve relações apenas com uma mulher brâmane e nunca com uma mulher não brâmane?’—‘Não, senhor.’

“‘Mas, senhores, vocês sabem se o pai do pai deles regressando até sete gerações teve relações apenas com uma mulher brâmane e nunca com uma mulher não brâmane?’—‘Não, senhor.’

“‘Mas, senhores, vocês sabem como ocorre a concepção de um embrião no ventre?’

“‘Senhor, nós sabemos como ocorre a concepção de um embrião no ventre. Veja, há a união da mãe e do pai, a mãe está no período fértil, e o ser que irá renascer está presente. Dessa forma ocorre a concepção de um embrião no ventre, através da união dessas três coisas.’

“‘Então, senhores, vocês têm certeza se aquele ser que irá renascer é um nobre ou um brâmane, ou um comerciante, ou um trabalhador?’

“‘Senhor, nós não temos certeza se aquele ser que irá renascer é um nobre ou um brâmane, ou um comerciante, ou um trabalhador.’

“‘Em sendo assim, senhores, o que vocês são?’

“‘Em sendo assim, senhor, nós não sabemos o que somos.’

“Agora, Assalāyana, até mesmo aqueles sete videntes brâmanes ao serem pressionados, questionados e examinados pelo vidente Devala, o Negro, quanto à afirmação deles sobre o nascimento, foram incapazes de sustentá-la. Como você será, ao ser pressionado, questionado e examinado por mim agora sobre a sua afirmação sobre o nascimento, capaz de sustentá-la? Você, que depende dos ensinamentos dos mestres e não está sequer preparado para ser Puṇṇa, aquele que segura a concha.”

Quando isso foi dito, o estudante brâmane Assalāyana disse para o Abençoado: “Magnífico, Mestre Gotama! Magnífico, Mestre Gotama! Mestre Gotama esclareceu o Dhamma de várias formas, como se tivesse colocado em pé o que estava de cabeça para baixo, revelasse o que estava escondido, mostrasse o caminho para alguém que estivesse perdido ou segurasse uma lâmpada no escuro para aqueles que possuem visão pudessem ver as formas. Eu busco refúgio no Mestre Gotama, no Dhamma e na Saṅgha dos bhikkhus. Que o Mestre Gotama me aceite como discípulo leigo que buscou refúgio para o resto da vida.”