COLEÇÃO DAS REGRAS MONÁSTICAS DO BUDISMO THERAVĀDA

O Código de Disciplina Monástica dos Bhikkhus

Regra Aniyata 1: se sentar privadamente com uma mulher

Veneráveis, estas duas regras aniyata, sobre casos indeterminados, surgiram para serem recitadas.

História de origem

Certa ocasião, o Abençoado estava em Sāvatthī no Bosque de Jeta, no Parque de Anāthapiṇḍika. Naquela época, o Venerável Udāyī havia se associado e visitava um grupo de famílias em Sāvatthī. Uma das famílias que o apoiava havia entregado ao filho de outra família a mão de sua filha em casamento. Então, cedo pela manhã o Venerável Udāyī se vestiu e tomando a tigela e o manto externo foi para a casa da primeira dessas famílias. Quando ele lá chegou, ele perguntou onde estava a filha, e então ele ficou sabendo que ela havia sido cedida para uma outra família que também o apoiava. Ele então foi até a segunda família e novamente perguntou onde estava a jovem. Eles disseram: “Venerável, ela se encontra sentada em seu quarto.” Ele foi então até onde estava a jovem, e os dois então se sentaram a sós em um local isolado o suficiente que se preste (ao ato sexual). Lá ele deu a ela um ensinamento, ou eles apenas conversaram.

Naquela época Visākhā, a mãe de Migāra, tinha muitos filhos e netos saudáveis, e ela era considerada muito auspiciosa. Quando sacrifícios, festivais e celebrações eram realizados pelos locais as pessoas faziam suas oferendas para Visākhā primeiro. E naquela ocasião ela havia sido convidada para visitar a casa da família que apoiava o Venerável Udāyī. Quando lá chegou, ela viu o Venerável Udāyī sentado sozinho com aquela jovem, e lhe disse: “Venerável, não é adequado que você se sente a sós com uma mulher em um local isolado o suficiente que se preste (ao ato sexual). Mesmo que você não tenha tal ato em mente, as pessoas de pouca fé e confiança serão difíceis de convencer.” Mas o Venerável Udāyī não lhe deu ouvidos. Assim que ela deixou aquele lugar Visākhā foi e informou os bhikkhus sobre o que tinha acontecido. Os bhikkhus de poucos desejos…se queixaram e criticaram: “Como pôde o Venerável Udāyī se sentar a sós com uma jovem mulher em um local isolado o suficiente que se preste (ao ato sexual)?”

Depois de repreender o Venerável Udāyī de diversas formas, eles então informaram o Abençoado… “É verdade, Udāyī, que você se sentou a sós com uma mulher em um local isolado o suficiente que se preste (ao ato sexual)?”

“É verdade, mestre.”

O Abençoado então o criticou: “…Homem tolo, como pôde você se sentar a sós com uma mulher em um local isolado o suficiente que se preste (ao ato sexual)? Isto não fará surgir fé naqueles ainda sem fé…” E então, bhikkhus, esta regra de treinamento deve ser assim recitada:

Regra final

“Se um bhikkhu se senta privadamente e a sós com uma mulher em um local isolado o suficiente que se preste (ao ato sexual)—de modo que uma discípula leiga confiável que veja aquilo o acuse de ter cometido uma destas três ofensas: uma ofensa parajika, uma ofensa sanghadisesa, ou uma ofensa pacittiya—e então ele admite ter se sentado (naquele lugar), ele deve ser punido de acordo com a ofensa que ele cometeu, ou de acordo com a ofensa que a discípula leiga de confiança em questão relata ele tenha cometido. Este é um caso aniyata, um caso indeterminado.”

Definições

Um: refere-se a qualquer indivíduo, de tal tipo, de tal ocupação, de tal status social, de tal nome, de tal família, de tal conduta, de tal comportamento, de tal associação, seja de muita ou pouca idade, ou não pertencendo a nenhum grupo específico. …Bhikkhu: neste caso, um bhikkhu é alguém que tenha recebido a ordenação completa na Sangha de bhikkhus através de um procedimento formal, consistindo de três moções e três proclamações, que é irrefutável e completo.

Uma mulher: uma mulher, recém-nascida, jovem ou velha. Não trata-se aqui de uma yakkha mulher, uma fantasma, ou uma fêmea de espécie animal.

Com: em companhia, junto, um com o outro.

A sós: apenas o bhikkhu e a mulher.

Privadamente: de modo que não se vê ou não se ouve.
Não se vê: um terceiro é incapaz de vê-los piscando, levantando sobrancelhas ou acenando com a cabeça.
Não se ouve: um terceiro é incapaz ouví-los falando em um tom de voz normal.

Local isolado: um local escondido ou apartado por uma parede, uma tela, uma porta, uma cortina, uma árvore, um pilar, um recipiente para grãos, ou qualquer outra coisa.

Local que se preste: um local onde atos sexuais podem ser realizados.

Se senta: o bhikkhu se senta ou se deita ao lado de uma mulher que se encontra sentada. Uma mulher se senta ou se deita ao lado do bhikkhu que se encontra sentado. Ambos são se sentam ou ambos se deitam.

Confiável: alguém que alcançou o fruto, a plena compreensão e entendimento do Ensinamento.

Discípula leiga: alguém que busca refúgio no Buda, Dhamma e Sangha.

Ve aquilo: tendo visto com seus olhos.

O acusa de ter cometido uma destas três ofensas: uma ofensa parajika, uma ofensa sanghadisesa, ou uma ofensa pacittiya—e então ele admite ter se sentado (naquele lugar), ele deve ser punido de acordo com a ofensa que ele cometeu, ou de acordo com a ofensa que a discípula leiga de confiança em questão relata ele tenha cometido:

Se ela o acusa assim: “Eu o vi sentado, tendo relações sexuais com uma mulher,” e ele admite ter feito aquilo, ele então deve ser punido de acordo com a ofensa cometida. Se ela o acusa assim: “Eu o vi sentado, tendo relações sexuais com uma mulher,” mas ele diz: “É verdade que eu estava sentado, mas não tive relações sexuais”, ele então deve ser punido de acordo com o fato de ter se sentado. Se ela o acusa assim: “Eu o vi sentado, tendo relações sexuais com uma mulher,” mas ele diz: “Eu não estava sentado, mas deitado,” ele então deve ser punido de acordo com o fato de ter se deitado. Se ela o acusa assim: “Eu o vi sentado, tendo relações sexuais com uma mulher,” mas ele diz: “Eu não estava sentado, mas em pé,” ele então não deverá ser punido.

Se ela o acusa assim: “Eu o vi deitado, tendo relações sexuais com uma mulher,” e ele admite ter feito aquilo, ele então deve ser punido de acordo com a ofensa cometida. Se ela o acusa assim: “Eu o vi deitado, tendo relações sexuais com uma mulher,” mas ele diz: “É verdade que eu estava deitado, mas não tive relações sexuais”, ele então deve ser punido de acordo com o fato de ter se sentado. Se ela o acusa assim: “Eu o vi deitado, tendo relações sexuais com uma mulher,” mas ele diz: “Eu não estava sentado, mas sentado,” ele então deve ser punido de acordo com o fato de ter se sentado. Se ela o acusa assim: “Eu o vi deitado, tendo relações sexuais com uma mulher,” mas ele diz: “Eu não estava deitado, mas em pé,” ele então não deverá ser punido.

Se ela o acusa assim: “Eu o vi sentado, fazendo contato físico com uma mulher,” e ele admite ter feito aquilo, ele então deve ser punido de acordo com a ofensa cometida. Se ela o acusa assim: “Eu o vi sentado, fazendo contato físico com uma mulher,” mas ele diz: “É verdade que eu estava sentado, mas não fiz contato físico”, ele então deve ser punido de acordo com o fato de ter se sentado. Se ela o acusa assim: “Eu o vi sentado, fazendo contato físico com uma mulher,” mas ele diz: “Eu não estava sentado, mas deitado,” ele então deve ser punido de acordo com o fato de ter se deitado. Se ela o acusa assim: “Eu o vi sentado, fazendo contato físico com uma mulher,” mas ele diz: “Eu não estava sentado, mas em pé,” ele então não deverá ser punido.

Se ela o acusa assim: “Eu o vi deitado, fazendo contato físico com uma mulher,” e ele admite ter feito aquilo, ele então deve ser punido de acordo com a ofensa cometida. Se ela o acusa assim: “Eu o vi deitado, fazendo contato físico com uma mulher,” mas ele diz: “É verdade que eu estava deitado, mas não fiz contato físico”, ele então deve ser punido de acordo com o fato de ter se sentado. Se ela o acusa assim: “Eu o vi deitado, fazendo contato físico com uma mulher,” mas ele diz: “Eu não estava deitado, mas sentado,” ele então deve ser punido de acordo com o fato de ter se sentado. Se ela o acusa assim: “Eu o vi deitado, fazendo contato físico com uma mulher,” mas ele diz: “Eu não estava deitado, mas em pé,” ele então não deverá ser punido.

Se ela o acusa assim: “Eu o vi sentado privadamente e a sós com uma mulher em um local isolado o suficiente que se preste (ao ato sexual),” e ele admite ter feito aquilo, ele então deve ser punido de acordo com a ofensa cometida. …“Eu não estava sentado, mas deitado,” ele então deve ser punido de acordo com o fato de ter se deitado. …“Eu não estava sentado, mas em pé,” ele então não deverá ser punido.

Se ela o acusa assim: “Eu o vi deitado privadamente e a sós com uma mulher em um local isolado o suficiente que se preste (ao ato sexual),” e ele admite ter feito aquilo, ele então deve ser punido de acordo com a ofensa cometida. …“Eu não estava deitado, mas sentado,” ele então deve ser punido de acordo com o fato de ter se sentado. …“Eu não estava deitado, mas em pé,” ele então não deverá ser punido.

Um caso indeterminado: um caso indefinível, incerto, pode se tratar de uma ofensa parajika, uma ofensa sanghadisesa, ou uma ofensa pacittiya.

Permutações

Se ele admite ter ido, se sentado, e cometido uma ofensa, ele então deve ser punido de acordo com a ofensa cometida. Se ele admite ter ido, mas nega ter se sentado, mas porém admite ter cometido uma ofensa, ele então deve ser punido de acordo com a ofensa cometida. Se ele admite ter ido, se sentado, mas porém nega ter cometido uma ofensa, ele então deve ser punido de acordo com o fato de ter se sentado. Se ele admite ter ido, mas nega ter se sentado e cometido uma ofensa, ele então não deverá ser punido.

Se ele nega ter ido, mas admite ter se sentado, e cometido uma ofensa, ele então deve ser punido de acordo com a ofensa cometida. Se ele nega ter ido, se sentado, mas porém admite ter cometido uma ofensa, ele então deve ser punido de acordo com a ofensa cometida. Se ele nega ter ido, mas admite se sentado, mas porém nega ter cometido uma ofensa, ele então deve ser punido de acordo com o fato de ter se sentado. Se ele nega ter ido, se sentado e cometido uma ofensa, ele então não deverá ser punido.

A primeira regra de treinamento aniyata—sobre se sentar privadamente com uma mulher—se encerra aqui.