COLEÇÃO DAS REGRAS MONÁSTICAS DO BUDISMO THERAVĀDA

O Código de Disciplina Monástica dos Bhikkhus

Regras Saṅghādisesā 2: Contato físico

História de origem

Certa ocasião, o Abençoado estava em Savatthi, no Bosque de Jeta, no Parque de Anathapindika. Naquela época, o Venerável Udāyī residia num local desabitado, ele tinha uma linda moradia, com um cômodo no meio, rodeada por um corredor por todos os lados. A cama e a assento haviam sido bem alocados, assim como a almofada, travesseiros e a água para beber e para lavar. O local havia sido bem varrido. Muitos vinham ver a moradia do Venerável Udāyī.

Igualmente, um certo brâmane e sua esposa foram até o Venerável Udāyī e disseram: “Venerável, gostaríamos de conferir a sua moradia.”

“Pois bem, brâmane, confiram.”

Ele tomou a chave, destrancou a porta, a abriu e entrou na habitação. O brâmane e sua esposa acompanharam o Venerável Udāyī, e enquanto abria algumas janelas e fechava outras, o Venerável Udāyī deu a volta no cômodo interno e aproximou-se por trás da esposa do brâmane, a tocando com suas partes íntimas. O brâmane então agradeceu ao Venerável Udāyī e partiu, ele expressou sua alegria: “Estes contemplativos Sákya que vivem em locais desabitados são sublimes. O Venerável Udāyī é sublime!”

Mas a esposa do brâmane disse: “O que há de sublime nele? Da mesma forma que você me toca com suas partes íntimas, ele me tocou. “

Ao ouvir aquilo, o brâmane então reclamou e criticou : “Estes contemplativos Sákya são sem vergonha, imorais e mentirosos, eles afirmam ser seguidores do Dhamma, de boa conduta, comprometidos com a vida espiritual, falantes da verdade, virtuosos, de boa conduta. Mas eles não têm as qualidades de um contemplativo ou brâmane, eles perderam o rumo. Como pôde o contemplativo Udāyī tocar minha esposa com suas partes íntimas? Como nos será possível ir até um mosteiro ou moradia monástica acompanhado de nossas esposas, nossas filhas, sobrinhas, noras ou escravas respeitáveis e de famílias respeitáveis. Se estas nos acompanham, os contemplativos Sákya poderão molestá-las.”

Os bhikkhus ouviram as críticas do brâmane, e os bhikkhus de poucos desejos… se queixaram e o criticaram: “Como pôde o Venerável Udāyī fazem contato corporal com uma mulher?” E então esses bhikkhus informaram ao Abençoado o ocorrido. O Abençoado então convocou a sangha dos bhikkhus e questionou o Venerável Udāyī:

“É verdade, Udāyī, que você teve contato corporal com uma mulher?”

“É verdade, mestre.”

O Abençoado então o repreendeu: “Não é adequado, homem tolo, não é conveniente, não é apropriado, não é digno de um contemplativo, não é correto, não deve ser feito. Como pôde você fazer contato corporal com uma mulher? Não é o caso que eu ensinei de várias formas objetivando o fim do desejo e não desejo; objetivando a liberdade da escravidão, e não a permanência no cativeiro; objetivando o desapego, e não o apego? Tendo eu desta forma ensinado, como pôde você ter se entregado ao desejo, ao cativeiro e ao apego? Não é o caso que eu ensinei de diversas formas tendo como o objetivo o abandono do desejo, o fim da presunção, a remoção de sede, o desenraizamento do apego, o interrompimento do ciclo de renascimentos, o fim do desejo, o desaparecimento, a cessação e a extinção do sofrimento? Não é o caso que eu de várias maneiras declarei o abandono dos prazeres sensuais, o pleno entendimento da percepção dos prazeres sensuais, a eliminação da sede pelos prazeres sensuais, a cessação dos pensamentos acerca de objetos de prazer sensual, o acalmar da febre dos prazeres sensuais? Homem tolo, isto não fará surgir fé naqueles ainda sem fé, nem tampouco fará aumentar a fé daqueles que já a têm, mas isso dificultará o surgimento da fé naqueles ainda sem fé, e fará com que aqueles com fé mudem suas mentes.” Então, depois de repreender aquele bhikkhu de muitas maneiras, por ser difícil de suportar… O Abençoado disse: “E então, bhikkhus, esta regra de treinamento deve ser assim recitada:

Regra final

“Se qualquer bhikkhu, tomado pelo desejo e com a mente alterada, se envolver em contato corporal com uma mulher ou segurar a mão dela, segurar o cabelo dela, ou acariciar qualquer parte do seu corpo, ele comete uma ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão.”

Definições

Um: refere-se a qualquer indivíduo, de tal tipo, de tal ocupação, de tal status social, de tal nome, de tal família, de tal conduta, de tal comportamento, de tal associação, seja de muita ou pouca idade, ou não pertencendo a nenhum grupo específico. . . . Bhikkhu: . . . neste caso, um bhikkhu é alguém que tenha recebido a ordenação completa na Sangha de bhikkhus através de um procedimento formal, consistindo de três moções e três proclamações, que é irrefutável e completo.

Tomado pelo desejo: desejoso, ávido, apaixonado.

Com a mente alterada: uma mente pode ser alterada, distorcida pelo desejo, pela raiva, ou pela delusão. Neste caso se refere da mente alterada ou distorcida pelo desejo.

Uma mulher: uma mulher, mesmo que seja nascida naquele mesmo dia e igualmente uma já velha. Não trata-se aqui de uma yakkha mulher, uma fantasma, ou uma fêmea de espécie animal.

Com: juntamente.

Se envolve em contato corporal: de forma íntima é o que se entende.

Mão: do cotovelo até a ponta das unhas.

Cabelo: apenas o cabelo, ou cabelo ornamentado com um laço, com um cordão de flores, com ouro, com pérolas ou com pedras preciosas.

Qualquer parte do corpo dela: todas as outras partes que não as mãos e cabelo, a isto se refere a expressão “qualquer parte do corpo dela”.

Resumo

Contato físico, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tem contato.

Outras definições

Contato físico: simples contato corporal.

Tocar: tocar aqui e ali.

Acariciando abaixo: descendo.

Acariciando acima: subindo.

Abaixando: descendo.

Levantando: subindo.

Puxando: trazendo para si.

Empurrando: pondo longe.

Apertando: pegando uma parte do corpo e pressionando.

Pressionando: pressionando com alguma outra coisa.

Segurando: o mero ato de segurar.

Tem contato: há o simples contato.

Uma ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão: apenas a sangha dos bhikkhus—e não um grupo de bhikkhus ou um bhikkhu apenas—pode declarar a penitência devida, suspender e estabelecer a reinclusão na sangha. Portanto é dito que se comete uma ofensa que implica a suspensão, este é o nome e definição desta classe de ofensas. Desta forma, igualmente, isto é o que se entende por cometer uma ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão”.

Permutações

Permutações parte 1

Contato corporal com um terceiro—corpo a corpo

Há uma mulher, ele a percebe como uma mulher e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com a mulher, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão.

Há uma mulher, mas ele não tem certeza e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com a mulher, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, uma ofensa grave.

Há uma mulher, mas ele a percebe como um paṇḍaka e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com a mulher, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, uma ofensa grave.

Há uma mulher, mas ele a percebe como um homem e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com a mulher, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, uma ofensa grave.

Há uma mulher, mas ele a percebe como um animal e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com a mulher, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, uma ofensa grave.

Há um paṇḍaka, ele o percebe como um paṇḍaka e ele tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com um paṇḍaka, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, uma ofensa grave.

Há um paṇḍaka, mas ele não tem certeza e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com um paṇḍaka, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há um paṇḍaka, mas ele o percebe como um homem e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com um paṇḍaka, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há um paṇḍaka, mas ele o percebe como um animal e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com um paṇḍaka, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há um paṇḍaka, mas ele o percebe como uma mulher e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com um paṇḍaka, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há um homem, ele o percebe como um homem e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com um homem, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há um homem, mas ele não tem certeza… há um homem, mas ele o percebe como um animal… há um homem, mas ele o percebe como uma mulher… há um homem, mas ele o percebe como um paṇḍaka e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com um homem, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há um animal, ele o percebe como um animal e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com um animal, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há um animal, mas ele não tem certeza… há um animal, mas ele o percebe como uma mulher… há um animal, mas ele o percebe como um paṇḍaka… há um animal, mas ele o percebe como um homem e tem desejo, e o bhikkhu faz contato corporal com um animal, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa dukkata, de transgressão.

A seção sobre um item raiz se encerra aqui.

Contato corporal com dois seres da mesma espécie—corpo a corpo

Há duas mulheres, ele as percebe como duas mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com as mulheres, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete duas ofensas sanghadisesa, sérias e que envolvem a suspensão.

Há duas mulheres, mas ele não tem certeza e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com as mulheres, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete duas ofensas thullaccaya, ofensas graves.

Há duas mulheres, mas ele as percebe como paṇḍakas… mas ele as percebe como homens… mas ele as percebe como animais e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com as mulheres, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete duas ofensas thullaccaya, ofensas graves.

Há dois paṇḍakas, ele os percebe como paṇḍakas e ele tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com os paṇḍakas, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete duas ofensas thullaccaya, ofensas graves.

Há dois paṇḍakas, mas ele não tem certeza… mas ele os percebe como homens… mas ele os percebe como animais… mas ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com os paṇḍakas, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há dois homens, ele os percebe como os homens e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com os homens, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há dois homens, mas ele não tem certeza… mas ele os percebe como animais… mas ele os percebe como mulheres… mas ele os percebe como paṇḍakas e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com os homens, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há dois animais, ele os percebe como animais e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com os animais, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há dois animais, mas ele não tem certeza… mas ele os percebe como mulheres… mas ele os percebe como paṇḍakas… mas ele os percebe como homens e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com os animais, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete duas ofensas sanghadisesa, sérias e que envolvem a suspensão.

Contato corporal com dois seres da mesma espécie—corpo a corpo

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com ambos, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa sanghadisesa, séria e que envolvem a suspensão, e uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele não tem certeza e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com ambos, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave, e uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como paṇḍakas e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com ambos, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete duas ofensas thullaccaya, ofensas graves.

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como homens e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com ambos, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave, e uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como animais e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com ambos, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave, e uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há uma mulher e um homem, ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com ambos, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa sanghadisesa, séria e que envolvem a suspensão, e uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há uma mulher e um homem, mas ele não tem certeza… mas ele os percebe como paṇḍakas… mas ele os percebe como homens… mas ele os percebe como animais e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com ambos, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave, e uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há uma mulher e um animal, ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com ambos, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa sanghadisesa, séria e que envolvem a suspensão, e uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há uma mulher e um animal, mas ele não tem certeza… mas ele os percebe como paṇḍakas… mas ele os percebe como homens… mas ele os percebe como animais e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com ambos, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave, e uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há um paṇḍaka e um homem, mas ele os percebe como paṇḍakas e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com ambos, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave, e uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há um paṇḍaka e um homem, mas ele não tem certeza… mas ele os percebe como homens… mas ele os percebe como animais… ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com ambos, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há um paṇḍaka e um animal, mas ele os percebe como paṇḍakas e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com ambos, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave, e uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há um paṇḍaka e um animal, mas ele não tem certeza… mas ele os percebe como homens… mas ele os percebe como animais… ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com ambos, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há um homem e um animal, mas ele os percebe como os homens e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com ambos, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há um homem e um animal, mas ele não tem certeza… mas ele os percebe como animais… ele os percebe como mulheres… mas ele os percebe como paṇḍaka e tem desejo. Se o bhikkhu faz contato corporal com ambos, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

A seção sobre dois itens raiz se encerra aqui.

Contato corporal indireto com algo ligado ao outro corpo

Há uma mulher, ele a percebe como uma mulher e tem desejo. Se o bhikkhu, com seu próprio corpo, faz contato corporal com algo ligado ao corpo desta, tocando… segurando, entrando em contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave …

Há duas mulheres, ele as percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu, com seu próprio corpo, faz contato corporal com algo ligado ao corpo de ambas, tocando… segurando, entrando em contato, ele comete duas ofensas thullaccaya, ofensas graves …

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu, com seu próprio corpo, faz contato corporal com algo ligado ao corpo de ambos, tocando… segurando, entrando em contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave, e uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há uma mulher, ele a percebe como uma mulher e tem desejo. Se o bhikkhu, tendo algo ligado ao seu próprio corpo, faz contato corporal com corpo desta, tocando… segurando, entrando em contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave…

Há duas mulheres, ele as percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu, tendo algo ligado ao seu próprio corpo, faz contato corporal com os seus corpos, tocando… segurando, entrando em contato, ele comete duas ofensas thullaccaya, ofensas graves.

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu, tendo algo ligado ao seu próprio corpo, faz contato corporal com os seus corpos, tocando… segurando, entrando em contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave, e uma ofensa dukkata, de transgressão.

Contato corporal indireto entre algo ligado ao corpo com algo ligado ao outro corpo

Há uma mulher, ele a percebe como uma mulher e tem desejo. Se o bhikkhu, tendo algo ligado ao seu próprio corpo, faz contato corporal com algo ligado ao corpo desta, tocando… segurando, entrando em contato, ele comete uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há duas mulheres, ele as percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu, tendo algo ligado ao seu próprio corpo, faz contato corporal com algo ligado aos corpos de ambas, tocando… segurando, entrando em contato, ele comete duas ofensas dukkatas, de transgressão.

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu, tendo algo ligado ao seu próprio corpo, faz contato corporal com algo ligado aos corpos de ambos, tocando… segurando, entrando em contato, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

contato corporal com o lançar ou deixar cair de algo

Há uma mulher, ele a percebe como uma mulher e tem desejo. Se o bhikkhu, com algo lançado por ele, faz contato corporal com seu corpo, ele comete uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há duas mulheres, ele as percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu, com algo lançado por ele, faz contato corporal com os seus corpos, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu, com algo lançado por ele, faz contato corporal com os seus corpos, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há uma mulher, ele a percebe como uma mulher e tem desejo. Se o bhikkhu, com algo lançado por ele, faz contato corporal com algo ligado ao seu corpo, ele comete uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há duas mulheres, ele as percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu, com algo lançado por ele, faz contato corporal com algo ligado aos corpos de ambas, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu, com algo lançado por ele, faz contato corporal com algo ligado aos corpos de ambos, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há uma mulher, ele a percebe como uma mulher e tem desejo. Se o bhikkhu, com algo lançado por ele, faz contato corporal com algo lançado por ela, ele comete uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há duas mulheres, ele as percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu, com algo lançado por ele, faz contato corporal com algo lançado por ambas, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se o bhikkhu, com algo lançado por ele, faz contato corporal com algo lançado por ambos, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

A série sucessiva sobre um bhikkhu se encerra aqui.

Terceiros fazendo contato corporal direto—corpo a corpo—com um bhikkhu

Há uma mulher, ele a percebe como uma mulher e tem desejo. Se a mulher faz contato corporal com o bhikkhu, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete uma ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão …

Há duas mulheres, ele as percebe como mulheres e tem desejo. Se as mulheres faz contato corporal com o bhikkhu, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete duas ofensas sanghadisesa, sérias e que envolvem a suspensão …

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se estes fazem contato corporal com o bhikkhu, corpo a corpo, tocando, acariciando abaixo, acariciando acima, abaixando, levantando, puxando, empurrando, apertando, pressionando, segurando, tendo contato e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete uma ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão e uma ofensa dukkata, de transgressão.

Terceiros fazendo contato corporal indireto—através de um objeto ligado aos seus corpos—com um bhikkhu

Há uma mulher, ele a percebe como uma mulher e tem desejo. Se a mulher, com seu próprio corpo, faz contato corporal com algo ligado ao seu corpo, tocando … segurando, fazendo contato e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave…

Há duas mulheres, ele as percebe como mulheres e tem desejo. Se as mulheres, com seus próprios corpos, fazem contato corporal com algo ligado aos seus corpos, tocando … segurando, fazendo contato e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete duas ofensas thullaccaya, ofensas graves.

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se ambas, com seus próprios corpos, fazem contato corporal com algo ligado aos seus corpos, tocando … segurando, fazendo contato e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave, e uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há uma mulher, ele a percebe como uma mulher e tem desejo. Se a mulher, tendo algo ligado ao seu próprio corpo, faz contato corporal com seu corpo, tocando … segurando, fazendo contato e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave…

Há duas mulheres, ele as percebe como mulheres e tem desejo. Se as mulheres, com algo ligado a seus próprios corpos, fazem contato corporal com seu corpo, tocando … segurando, fazendo contato e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete duas ofensas thullaccaya, ofensas graves …

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se eles ambos, com algo ligado a seus próprios corpos, fazem contato corporal com seu corpo, tocando… segurando, tendo contato e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave, e uma ofensa dukkata, de transgressão.

Terceiros fazendo contato corporal indireto—através de um objeto ligado aos seus corpos com um objeto ligado ao corpo do bhikkhu

Há uma mulher, ele a percebe como uma mulher e tem desejo. Se a mulher, tendo algo ligado ao seu próprio corpo, faz contato corporal com algo ligado ao seu corpo, tocando … segurando, fazendo contato e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave …

Há duas mulheres, ele as percebe como mulheres e tem desejo. Se as mulheres, com algo ligado a seus próprios corpos, faz contato corporal com algo ligado ao seu corpo, tocando … segurando, fazendo contato e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete duas ofensas thullaccaya, ofensas graves.

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se eles ambos, com algo ligado a seus próprios corpos, fazem contato corporal com algo ligado aos seus corpos, tocando apoderar-se do mesmo, entre em contato com ele e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete uma ofensa thullaccaya, ofensa grave, e uma ofensa dukkata, de transgressão.

Terceiros fazendo contato corporal indireto com o lançar ou deixar cair de algo

Há uma mulher, ele a percebe como uma mulher e tem desejo. Se a mulher, com algo lançado por ela, faz contato corporal com o corpo dele, e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há duas mulheres, ele as percebe como mulheres e tem desejo. Se as mulheres, com algo lançado por eles, fazem contato corporal com o corpo dele, e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se eles ambos, com algo lançado por eles, fazem contato corporal com seu corpo e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há uma mulher, ele a percebe como uma mulher e tem desejo. Se a mulher, com algo lançado por ela, faz contato corporal com algo ligado ao seu corpo e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e entrar em contato com experiências, ele comete uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há duas mulheres, ele as percebe como mulheres e tem desejo. Se as mulheres, com algo lançado por eles, fazem contato corporal com algo ligado aos seus corpos e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e entrar em contato com experiências, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se eles ambos, com algo lançado por eles, fazem contato corporal com algo ligado aos seus corpos e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há uma mulher, ele a percebe como uma mulher e tem desejo. Se a mulher, com algo lançado por ela, faz contato corporal com algo lançado por ele e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo, mas não há o contato, ele comete uma ofensa dukkata, de transgressão.

Há duas mulheres, ele as percebe como mulheres e tem desejo. Se as mulheres, com algo lançado por elas, fazem contato corporal com algo lançado por ele e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo, mas não há o contato, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Há uma mulher e um paṇḍaka, mas ele os percebe como mulheres e tem desejo. Se eles ambos, com algo lançado por eles, fazem contato corporal com algo lançado por ele e ele, se empenhando para o contato, faz um esforço com o corpo, mas não há o contato, ele comete duas ofensas dukkata, de transgressão.

Permutações, parte 2

Se, se empenhando para o contato, ele faz um esforço com o corpo e faz contato, ele comete uma ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão.

Se, se empenhando para o contato, ele faz um esforço com o corpo, mas não há o contato, ele comete uma ofensa dukkata, de transgressão.

Se, se empenhando para o contato, ele não faz esforço com o corpo, mas há contato, não há ofensa.

Se, se empenhando para o contato, ele não faz esforço com o corpo com o corpo e não há contato, não há ofensa.

Se, com o objetivo de se desvencilhar, ele faz um esforço com o corpo e faz contato, não há ofensa.

Se, com o objetivo de se desvencilhar, ele faz um esforço com o corpo, mas não há contato, não há ofensa.

Se, com o objetivo de se desvencilhar, ele não faz esforço com o corpo, mas há contato, não há ofensa.

Se, com o objetivo de se desvencilhar, ele não faz esforço com o corpo com o corpo e não há contato, não há ofensa.

Quando não há ofensa

Não há ofensa quando: não há intenção; não se está atento; não se está ciente; não há consentimento; o indivíduo se encontra louco; o indivíduo se encontra tomado pela dor; ele é o primeiro a cometer a ofensa.

Casos e suas respectivas decisões

Lista para memorização

Mãe, filha e irmã,
Esposa e uma yakkha mulher, um paṇḍaka;
Animal dormindo, morto, fêmea,
E com uma boneca de madeira.

Molestaram, numa ponte, numa estrada,
Árvore, barco e corda;
Uma vara, empurrado com uma tigela,
Enquanto homenageado, houve esforço mas não houve toque.

Detalhes dos casos

Certa vez, um bhikkhu tocou sua mãe com afeto, ele se tornou ansioso, pensando, “o mestre estabeleceu uma regra de treinamento. Será que eu cometi uma ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão?” Ele informou o mestre.

“Não houve ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão, mas sim uma ofensa dukkata, de transgressão.”

Certa vez, um bhikkhu tocou sua filha com afeto… sua irmã com afeto, ele se tornou ansioso… “Não houve ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão, mas sim uma ofensa dukkata, de transgressão.”

Certa vez, um bhikkhu fez contato corporal com sua ex-mulher, ele se tornou ansioso… “Você cometeu uma ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão”.

Certa vez, um bhikkhu fez contato corporal com uma yakkha mulher, ele se tornou ansioso… “Não há ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão, mas sim uma ofensa thullaccaya, ofensa grave.”

Certa vez, um bhikkhu fez contato corporal com um paṇḍaka, ele se tornou ansioso… “Não há ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão, mas sim uma ofensa thullaccaya, ofensa grave.”

Certa vez, um bhikkhu fez contato corporal com uma mulher dormindo, ele se tornou ansioso… “Você cometeu uma ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão”.

Certa vez, um bhikkhu fez contato corporal com uma mulher morta, ele se tornou ansioso. “Não há ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão, mas sim uma ofensa thullaccaya, ofensa grave.”

Certa vez, um bhikkhu fez contato corporal com a fêmea de animal … “Não houve ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão, mas sim uma ofensa dukkata, de transgressão.”

Certa vez, um bhikkhu fez contato corporal com uma boneca de madeira … “Não houve ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão, mas sim uma ofensa dukkata, de transgressão.”

Certa vez, um número de mulheres molestaram um bhikkhu, tomando-o em seus braços, ele se tornou ansioso…

“Você consentiu, bhikkhu?”

“Eu não consenti, mestre.”

“Não há ofensa quando não há consentimento.”

Certa vez, um bhikkhu, tendo desejo, sacudiu uma ponte onde se encontrava em pé uma mulher, ele se tornou ansioso… “Não houve ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão, mas sim uma ofensa dukkata, de transgressão.”

Certa vez, um bhikkhu viu uma mulher vindo na direção oposta e, tendo desejo, deu-lhe um golpe com o ombro, ele se tornou ansioso… “Você cometeu uma ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão”.

Certa vez, um bhikkhu, tendo desejo, sacudiu uma árvore que uma mulher tinha subido, ele se tornou ansioso… “Não houve ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão, mas sim uma ofensa dukkata, de transgressão.”

Certa vez, um bhikkhu, tendo desejo, sacudiu um barco no qual se encontrava uma mulher embarcada, ele se tornou ansioso… “Não houve ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão, mas sim uma ofensa dukkata, de transgressão.”

Certa vez, um bhikkhu, tendo desejo, puxou uma corda que uma mulher segurava, ele se tornou ansioso… “Não há ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão, mas sim uma ofensa thullaccaya, ofensa grave.”

Certa vez, um bhikkhu, tendo desejo, puxou uma vara que uma mulher segurava, ele se tornou ansioso… “Não há ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão, mas sim uma ofensa thullaccaya, ofensa grave.”

Certa vez, um bhikkhu, tendo desejo, empurrou uma mulher com sua tigela, ele se tornou ansioso… “Não há ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão, mas sim uma ofensa thullaccaya, ofensa grave.”

Certa vez, um bhikkhu, tendo desejo, levantou o pé enquanto uma mulher prestava homenagem a ele, ele se tornou ansioso… “Você cometeu uma ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão”.

Certa vez, um bhikkhu, pensando, “Agarrarei esta mulher,” ele fez esforço, mas não fez contato, ele se tornou ansioso… “Não houve ofensa sanghadisesa, séria e que envolve a suspensão, mas sim uma ofensa dukkata, de transgressão.”

A segunda regra de treinamento sanghadisesa, sobre o contato corporal, se encerra aqui.