Saṃyutta Nikāya 11.10

Samuddaka Sutta

Videntes

Em Savatthi. “Bhikkhus, certa vez no passado um número de videntes virtuosos e com bom caráter haviam se estabelecido em cabanas numa praia à beira do oceano. Agora naquela ocasião os devas e asuras estavam se preparando para a guerra. Então aqueles videntes virtuosos e com bom caráter pensaram: ‘Os devas são íntegros, os asuras são corruptos. Os asuras poderão nos trazer perigo. Vamos até Sambara, o senhor dos asuras, para pedir garantias quanto à nossa segurança.’

“Então, bhikkhus, com a mesma rapidez com a qual um homem forte pode estender o braço flexionado ou flexionar o braço estendido, aqueles videntes virtuosos e com bom caráter desapareceram das suas cabanas numa praia à beira do oceano e reapareceram na presença de Sambara, o senhor dos asuras. Então aqueles videntes se dirigiram a Sambara em versos:

“‘Os videntes que vieram até Sambara
pedem por garantias para a sua segurança.
Pois você lhes pode dar aquilo que deseje,
quer seja perigo ou segurança.’

Sambara:

“‘Eu não ofereço segurança aos videntes,
pois eles são odiosos discípulos de Sakka;
embora vocês peçam segurança,
eu lhes darei apenas perigo.’

Os videntes:

“‘Embora tenhamos pedido segurança,
você apenas nos dá perigo.
Nós recebemos isso das suas mãos:
que você receba perigo interminável!

“‘Qualquer tipo de semente semeada,
esse é o tipo de fruto que será colhido:
quem faz o bem colhe o bem;
quem faz o mal colhe o mal.
Você, amigo, semeou a semente;
assim experimentará o fruto.’