Saṃyutta Nikāya 15.3

Assu Sutta

Lágrimas

Em Savatthi. “Bhikkhus, esse samsara não possui um início que possa ser descoberto. Um ponto inicial não é discernido para os seres que seguem vagando e perambulando, obstruídos pela ignorância e aprisionados pelo desejo. O que vocês pensam, bhikkhus: O que é maior, as lágrimas que vocês derramaram transmigrando e perambulando por este longo, longo tempo—chorando e derramando lágrimas por estarem unidos ao que é desagradável, separados do que é agradável—ou a água contida nos quatro grandes oceanos?”

“A maneira pela qual entendemos o Dhamma, que nos ensinou o Abençoado, isto é maior: as lágrimas que derramamos transmigrando e perambulando por este longo, longo tempo—chorando e derramando lágrimas por estarmos unidos ao que é desagradável, separados do que é agradável—não a água contida nos quatro grandes oceanos.”

“Excelente, bhiikhus. Excelente. É excelente que vocês entendam o Dhamma que eu ensino.

“Isto é maior: as lágrimas que vocês derramaram transmigrando e perambulando por este longo, longo tempo—chorando e derramando lágrimas por estarem unidos ao que é desagradável, separados do que é agradável—não a água contida nos quatro grandes oceanos.”

“Há muito tempo ( repetidamente ) vocês experimentaram a morte de uma mãe. Isto é maior: as lágrimas que vocês derramaram pela morte de uma mãe enquanto transmigravam e perambulavam por este longo, longo tempo—chorando e derramando lágrimas por estarem unidos ao que é desagradável, separados do que é agradável—não a água contida nos quatro grandes oceanos.

“Há muito tempo ( repetidamente ) vocês experimentaram a morte de um pai…a morte de um irmão…a morte de uma irmã…a morte de um filho…a morte de uma filha…perda de parentes…perda de riquezas…perdas por enfermidades. Isto é maior: as lágrimas que vocês derramaram pelas perdas por enfermidades enquanto transmigravam e perambulavam por este longo, longo tempo—chorando e derramando lágrimas por estarem unidos ao que é desagradável, separados do que é agradável—não a água contida nos quatro grandes oceanos.

“Por que ocorre isso? Esse samsara não possui um início que possa ser descoberto. Um ponto inicial não é discernido para os seres que seguem vagando e perambulando, obstruídos pela ignorância e aprisionados pelo desejo. Há muito tempo vocês experimentaram o sofrimento, experimentaram a dor, experimentaram a perda, inchando os cemitérios—o suficiente para se desencantarem com todas as coisas condicionadas, o suficiente para se tornarem desapegados, o suficiente para se libertarem.”