Saṃyutta Nikāya 2.10

Suriya Sutta

Suriya

Em Savatthi. Agora, naquela ocasião o jovem deva Suriya havia sido seqüestrado por Rahu, o senhor dos asuras. Então, recordando-se do Abençoado, o jovem deva Suriya recitou o seguinte verso:

“Presto homenagem ao Buda!
Oh herói! Você está completamente libertado.
Eu estou cativo,
por favor seja o meu refúgio.”

Então, referindo-se ao jovem deva Suriya, o Abençoado se dirigiu em versos a Rahu, o senhor dos asuras:

“Suriya buscou refúgio
no Tathagata, o Arahant.
Liberte Suriya, Oh! Rahu,
os Budas têm compaixão pelo mundo.

“Enquanto você se move através do céu, Oh! Rahu,
não engula o radiante,
aquele que produz a luz na escuridão,
o disco com incandescente poder nas trevas.
Rahu, liberte o meu filho Suriya.”

Então Rahu, o senhor dos asuras, libertou o jovem deva Suriya e apressado foi até Vepacitti, o senhor dos asuras. Ao chegar, chocado e aterrorizado, ele ficou em pé a um lado. Então, como ele ali permanecesse, Vepacitti, o senhor dos asuras, se dirigiu a ele em versos:

“Porque, Rahu, você veio tão apressado?
Porque você libertou Suriya?
Chegando como que em choque,
porque você está aí parado com medo?”

“Minha cabeça teria se partido em sete,
enquanto vivesse eu não teria paz,
se, ao ouvir os versos do Buda,
eu não tivesse libertado Suriya.”