Saṃyutta Nikāya 2.8

Tayana Sutta

Tayana

Em Savatthi. Então, quando a noite estava bem avançada, o jovem deva Tayana, que no passado foi o fundador de uma ordem religiosa, possuidor de tão bela aparência que iluminou todo o Bosque de Jeta, se aproximou do Abençoado. Ao se aproximar ele homenageou o Abençoado e ficando em pé a um lado recitou este verso na presença do Abençoado:

“Esforçando-se, vença a torrente!
Disperse os desejos sensuais, Oh! Brâmane!
Sem ter abandonado os desejos sensuais,
um sábio não alcança a unidade.

“Para fazer o que deve ser feito,
com determinação ele se esforça.
Pois a vida de um errante preguiçoso
só espalha mais pó.

“Melhor não feito que mal feito,
uma ação que mais tarde trará o arrependimento.
Bem feito é a boa ação
que quando realizada não existe arrependimento.

“Tal como o capim kusa, agarrado incorretamente,
só corta as mãos,
assim também com a vida do contemplativo, vivida incorretamente,
arrasta-o ao inferno.

“Qualquer ação negligente,
qualquer voto corrompido,
uma vida santa que gera suspeitas,
não produz grandes frutos.”

Isso foi o que o jovem deva Tayana disse. Dito isso, ele homenageou o Abençoado e mantendo-o à sua direita, em seguida desapareceu.

Então, quando a noite havia terminado, o Abençoado se dirigiu aos bhikkhus desta forma: “Bhikkhus, na noite passada, quando a noite estava bem avançada, o jovem deva Tayana, que no passado foi o fundador de uma ordem religiosa … se aproximou de mim.. e na minha presença recitou este verso:

“Esforçando-se, vença a torrente! …

não produz grandes frutos.”

“Isso foi o que o jovem deva Tayana disse. Dito isso, ele me homenageou e mantendo-me à sua direita, em seguida desapareceu. Bhikkhus, aprendam os versos de Tayana. Bhikkhus, obtenham proficiência nos versos de Tayana. Bhikkhus, lembrem-se dos versos de Tayana. Bhikkhus, os versos de Tayana trazem benefício, fazem parte dos fundamentos da vida santa.”