Saṃyutta Nikāya 22.46

Anicca (dutiya) Sutta

Impermanente

Em Savatthi.

“Bhikkhus, a forma é impermanente … A sensação é impermanente … A percepção é impermanente … As formações volitivas são impermanentes … A consciência é impermanente. O que é impermanente é sofrimento. O que é sofrimento é não-eu. O que é não-eu deveria ser visto como na verdade é com correta sabedoria assim: ‘Isso não é meu, isso não sou eu, isso não é o meu eu.’

“Quando alguém vê assim como na verdade é com correta sabedoria, ele não mais possui idéias acerca do passado. Quando alguém não mais possui idéias acerca do passado, ele não mais possui idéias acerca do futuro. Quando alguém não mais possui idéias acerca do futuro, ele não mais possui apego obstinado. Quando alguém não mais possui apego obstinado, a mente se desapega da forma, da sensação, da percepção, das formações volitivas, da consciência, e é libertada das impurezas através do não apego.

“Por estar libertado, ele fica estável; estando estável, ele fica satisfeito; estando satisfeito, ele não fica agitado. Não estando agitado, ele realiza Nibbana. Ele compreende que: ‘O nascimento foi destruído, a vida santa foi vivida, o que deveria ser feito foi feito, não há mais vir a ser a nenhum estado.’”