Saṃyutta Nikāya 22.76

Arahant (pathama) Sutta

Arahant

Em Savatthi. “Bhikkhus, a forma é impermanente. O que é impermanente é sofrimento. O que é sofrimento é não-eu. O que é não-eu deveria ser visto como na verdade é, com correta sabedoria assim: ‘Isso não é meu, isso não sou eu, isso não é o meu eu.’

“A sensação é impermanente … A percepção é impermanente … As formações volitivas são impermanentes … A consciência é impermanente. O que é impermanente é sofrimento. O que é sofrimento é não-eu. O que é não-eu deveria ser visto como na verdade é com correta sabedoria assim: ‘Isso não é meu, isso não sou eu, isso não é o meu eu.’

“Vendo dessa forma, o nobre discípulo bem instruído se desencanta com a forma, se desencanta com a sensação, se desencanta com a percepção, se desencanta com as formações volitivas, se desencanta com a consciência. Desencantado ele se torna desapegado. Através do desapego a sua mente é libertada. Quando ela está libertada surge o conhecimento: ‘Libertada.’ Ele compreende que: ‘O nascimento foi destruído, a vida santa foi vivida, o que deveria ser feito foi feito, não há mais vir a ser a nenhum estado.’”

“Bhikkhus, qualquer que seja a extensão dos planos de ser/existir, até o pináculo do ser/existir, estes são os supremos no mundo, estes são os melhores, isto é, os arahants.’

“Felizes de fato são os arahants!
Nenhum desejo é neles encontrado.
Eliminada a presunção ‘eu sou.’
Rompido o véu da delusão.

“Eles alcançaram o estado livre da agitação,
suas mentes puras;
no mundo eles são os imaculados—
santos, sem impurezas.

“Tendo compreendido os cinco agregados por completo,
com as sete boas qualidades,
esses homens superiores dignos de elogios
são os filhos do peito do Buda.

“Dotados com as sete jóias,
treinados no treinamento tríplice,
esses grandes heróis perambulam
tendo abandonado o medo e o tremor.

“Dotados com dez fatores,
esses grandes nagas concentrados,
são os seres supremos no mundo:
nenhum desejo é neles encontrado.

“O conhecimento de um discípulo neles surgiu:
’Este é meu último corpo,’
Com relação ao núcleo da vida santa
eles não mais dependem de outrem.

“Eles não vacilam na discriminação,
estão libertos do devir.
Tendo alcançado o estado dos domesticados,
eles são os vitoriosos no mundo.

“Acima, de lado a lado, abaixo,
o deleite não é mais encontrado neles.
Destemidos soam o rugido do leão:
’Os iluminados são supremos no mundo.’”