Saṃyutta Nikāya 28.2

Avitakka Sutta

Sem o Pensamento

Assim ouvi. Em certa ocasião, o Abençoado estava em Savatthi no Bosque de Jeta, no Parque de Anathapindika.

Então, ao amanhecer, o venerável Sariputta se vestiu e tomando a tigela e o manto externo, foi para Vesali para esmolar alimentos. Depois de haver esmolado em Vesali e de haver retornado, após a refeição ele foi até o Bosque dos Homens Cegos para passar o resto do dia. Depois de haver mergulhado no Bosque dos Homens Cegos, ele sentou ao pé de uma árvore para o retiro do dia.

Então, ao anoitecer, o Venerável Sariputta emergiu do isolamento e foi para o Bosque de Jeta, Parque de Anathapindika. O Venerável Ānanda viu o Venerável Sariputta vindo à distância e disse: “Amigo Sariputta, as suas faculdades estão serenas, a sua complexão está pura e brilhante. Em qual permanência o Venerável Sariputta passou o dia?”

“Aqui amigo, abandonando o pensamento aplicado e sustentado, entrei e permaneci no segundo jhana, que é caracterizado pela segurança interna e perfeita unicidade da mente, sem o pensamento aplicado e sustentado, com o êxtase e felicidade nascidos da concentração. No entanto, amigo, não me ocorreu, ‘Eu estou alcançando o segundo jhana’ ou ‘eu alcancei o segundo jhana,’ ou ‘eu emergi do segundo jhana.’”

“Deve ser porque a fabricação do eu, a fabricação do meu e a tendência subjacente à presunção foram completamente desenraizadas já faz muito tempo no Venerável Sariputta, que esses pensamentos não lhe ocorreram.”