Saṃyutta Nikāya 35.240

Kumma Sutta

O Jabuti

“Certa vez, bhikkhus, um jabuti estava procurando alimento à noite, às margens de um rio. E um chacal também estava procurando alimento à noite, às margens daquele mesmo rio. Quando o jabuti viu o chacal à distância procurando alimento, ele recolheu as quatro patas e o pescoço para dentro da casca e assim permaneceu quieto e imóvel.

“O chacal também viu o jabuti à distância procurando alimento e assim ele se aproximou do jabuti e ficou ali esperando, pensando, ‘Assim que o jabuti esticar algum dos seus quatro membros ou o pescoço, eu vou agarrá-lo nesse exato momento, vou arrancá-lo e comê-lo.’ Mas como o jabuti não esticou nenhum dos membros ou o pescoço, o chacal, sem ter a sua oportunidade, perdeu o interesse e partiu.

“Da mesma forma, bhikkhus, Mara, o Senhor do Mal, está continuamente e constantemente esperando ao seu lado, pensando, ‘Talvez eu tenha uma oportunidade através do olho … do ouvido … do nariz … da língua … do corpo. Talvez eu tenha uma oportunidade através da mente.’ Portanto, bhikkhus, permaneçam com as portas dos meios dos sentidos bem guardadas.

“Ao ver uma forma com o olho, não se agarrem aos seus sinais ou detalhes. Visto que, se permanecerem com a faculdade do olho descuidada, vocês serão tomados pelos estados ruins e prejudiciais de cobiça e tristeza. Pratiquem a contenção, protejam a faculdade do olho, empenhem-se na contenção da faculdade do olho. Ao ouvir um som com o ouvido … Ao cheirar um aroma com o nariz … Ao saborear um sabor com a língua … Ao tocar um tangível com o corpo … Ao conscientizar um objeto mental com a mente, não se agarrem aos seus sinais ou detalhes. Visto que, se permanecerem com a faculdade da mente descuidada, vocês serão tomados pelos estados ruins e prejudiciais de cobiça e tristeza. Pratiquem a contenção, protejam a faculdade da mente, empenhem-se na contenção da faculdade do mente.

“Quando, bhikkhus, vocês permanecerem com as portas dos meios dos sentidos bem guardadas, Mara não terá nenhuma oportunidade e assim perderá o interesse e partirá, tal como o chacal com o jabuti.”

Recolhendo na mente os pensamentos,
como um jabuti recolhe na casca os seus membros,
independente, sem molestar a ninguém, plenamente saciado,
um bhikkhu não critica ninguém.