Saṃyutta Nikāya 47.3

Bhikkhu Sutta

Bhikkhu

Em certa ocasião, o Abençoado estava em Savatthi no Bosque de Jeta, no Parque de Anathapindika. Então um certo bhikkhu foi até o Abençoado e depois de cumprimentá-lo sentou a um lado e disse:

“Venerável senhor, seria bom se o Abençoado pudesse me ensinar o Dhamma de maneira resumida, de modo que, tendo ouvido o Dhamma do Abençoado, eu possa permanecer só, isolado, diligente, ardente e decidido.”

“Mas é justamente dessa maneira que alguns homens tolos fazem um pedido e então, tendo ouvido o Dhamma, pensam que devem seguir-me aonde quer que eu vá.”

“Possa o Abençoado ensinar-me o Dhamma de maneira resumida! Possa o Iluminado ensinar-me o Dhamma de maneira resumida! É bem possível que eu entenda as palavras do Abençoado. É bem possível que eu me torne um herdeiro das palavras do Abençoado.”

“Bem então, bhikkhu, purifique o ponto exato do início dos estados benéficos. E qual é o início dos estados benéficos? A virtude que é bem purificada e o entendimento que é correto. Então, bhikkhu, quando a sua virtude estiver bem purificada e o seu entendimento correto, baseado na virtude, estabelecido na virtude, você deve desenvolver os quatro fundamentos da atenção plena de três modos.

“Quais quatro? Neste caso, bhikkhu, permaneça contemplando o corpo como um corpo internamente, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo. Permaneça contemplando o corpo como um corpo externamente, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo. Permaneça contemplando o corpo como um corpo internamente e externamente, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo.

“Permaneça contemplando as sensações como sensações internamente … externamente … internamente e externamente, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo. Permaneça contemplando a mente como mente internamente … externamente … internamente e externamente, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo. Permaneça contemplando os objetos mentais como objetos mentais internamente … externamente … internamente e externamente, ardente, plenamente consciente e com atenção plena, tendo colocado de lado a cobiça e o desprazer pelo mundo.

“Quando, bhikkhu, baseado na virtude, estabelecido na virtude, você desenvolver os quatro fundamentos da atenção plena dessa forma, então, quer venha a noite ou o dia, você poderá esperar apenas o incremento nos estados benéficos, não o seu declínio.”

Então, aquele bhikkhu, tendo ficado satisfeito e contente com as palavras do Abençoado, levantou-se do seu assento e depois de homenageá-lo, mantendo-o à sua direita, partiu. Permanecendo só, isolado, diligente, ardente e decidido, em pouco tempo, ele alcançou e permaneceu no objetivo supremo da vida santa pelo qual membros de um clã deixam a vida em família pela vida santa, tendo conhecido e realizado por si mesmo no aqui e agora. Ele soube: “O nascimento foi destruído, a vida santa foi vivida, o que deveria ser feito foi feito, não há mais vir a ser a nenhum estado.” E assim aquele bhikkhu tornou-se mais um dos Arahants.