Saṃyutta Nikāya 53.6

Chatthapacinaninna Sutta

Declivando para o Oceano

“Bhikkhus, há esses quatro jhanas. Quais quatro? Neste caso, bhikkhus, afastado dos prazeres sensuais, afastado das qualidades não hábeis, um bhikkhu entra e permanece no primeiro jhana, que é acompanhado pelo pensamento aplicado e sustentado, com o êxtase e felicidade nascidos do afastamento. Silenciando o pensamento aplicado e sustentado, um bhikkhu entra e permanece no segundo jhana, que é acompanhado pela autoconfiança e unicidade da mente sem o pensamento aplicado e sustentado, com o êxtase e felicidade nascidos da concentração. Com o desaparecer do êxtase, um bhikkhu permanece com a equanimidade, plenamente atento e plenamente consciente, ainda sentindo felicidade no corpo, ele entra e permanece no terceiro jhana, acerca do qual os nobres declaram: ‘Possui uma estada feliz aquele que é equânime e plenamente atento.’ Com o abandono da felicidade e do sofrimento, e com o anterior desaparecimento da alegria e tristeza, um bhikkhu entra e permanece no quarto jhana, que possui nem felicidade, nem sofrimento e a atenção plena purificada devido à equanimidade. Esses são os quatro jhanas.

“Bhikkhus, como o rio Gânges decliva, tende e se inclina na direção do oceano, um bhikkhu que desenvolve e cultiva os quatro jhanas também decliva, tende e se inclina na direção de Nibbana.

“E como, bhikkhus, um bhikkhu desenvolve e cultiva os quatro jhanas para ele declivar, tender e se inclinar na direção de Nibbana? Neste caso, bhikkhus, afastado dos prazeres sensuais, afastado das qualidades não hábeis, um bhikkhu entra e permanece no primeiro jhana … no segundo jhana … no terceiro jhana … no quarto jhana.

“É dessa forma, bhikkhus, que um bhikkhu desenvolve e cultiva os quatro jhanas para ele declivar, tender e se inclinar na direção de Nibbana.”