Sutta Nipāta 2.2

Amagandha Sutta

Impureza

O brâmane:

Virtuoso é aquele que se alimenta destas coisas
—grãos, vagens, feijões, ervilhas, folhas,
raízes comestíveis, ou quaisquer frutos—
ele os obtêm de forma justa,
e não mente em função de prazeres sensuais.

Ó Kassapa, você come qualquer alimento oferecido
—pratos bem preparados, bem apresentados, puros e atraentes—
gozando de tais alimentos misturados com arroz,
você come aquilo que é impuro, traz mau cheiro.

Buda Kassapa:

Ó brâmane, apesar de afirmar não se aplicar a você
a acusação de comer aquilo que é impuro e traz mau cheiro,
você consome arroz bem preparado, tendo a carne de aves como ingrediente,
sou eu então que lhe pergunto sobre a impureza, mau cheiro.

A impureza, o mau cheiro, não está na ingestão de carne,
mas sim na ação de matar, golpear, ferir, aprisionar,
roubar, mentir, ludibriar, trapacear,
enganar, praticar o adultério, ou dedicar-se ao entendimento incorreto.

A impureza, o mau cheiro, não está na ingestão de carne,
mas sim naqueles descontrolados em seus desejos e prazeres,
ávidos por sabores, de conduta impura,
adeptos pontos de vista niilistas,
eles são instáveis e difíceis de treinar.

A impureza, o mau cheiro, não está na ingestão de carne,
mas sim naqueles que são rudes, arrogantes, maledicentes, traiçoeiros,
cruéis e excessivamente egoístas,
naqueles que são mesquinhos, não compartilham nada com outrem.

A impureza, o mau cheiro, não está na ingestão de carne,
mas sim naqueles que são raivosos, teimosos, hostis, vaidosos,
enganadores, invejosos e prepotentes,
naqueles que eles são cheios de si, têm pessoas imorais como amigos.

A impureza, o mau cheiro, não está na ingestão de carne,
mas sim naqueles de má conduta, caloteiros,
impostores, caluniadores, fraudulentos em seus negócios,
naqueles que são perversos, os cometedores de tais más ações.

A impureza, o mau cheiro, não está na ingestão de carne,
mas sim naqueles incontidos diante daqueles ao seu redor,
empenhados em ferir os outros, eles tomam seus pertences;
naqueles que são imorais, cruéis, duros e desrespeitoso.

A impureza, o mau cheiro, não está na ingestão de carne,
mas sim naqueles que atacam esses seres vivos,
seja por ganância ou por ódio, eles estão sempre inclinados para o mal,
e após a morte eles seguem em direção à escuridão,
caindo de cabeça em direção aos estados miseráveis, os infernos.

Abster-se de peixe e carne,
adotar a nudez, raspar a cabeça, ou ter cabelos emaranhados,
cobrir-se com cinzas, vestir-se com peles;
frequentar o fogo sacrificial,
ou adotar penitências mundanas buscando a imortalidade;
entoar mantras, fazer oferendas ou oblações,
participar de sacrifícios ou observâncias sazonais;
nada disto purifica aquele ainda tomado pela dúvida ou ignorância.

Aquele que vive com seus sentidos guardados,
vitorioso e estabelecido no Dhamma,
deleitando-se na gentil reclusão;
tendo superado os apegos, e deixado para trás todo sofrimento;
aquele que é sábio não se apega ao que é visto ou ouvido.

Narrador

E assim pregou diversas vezes o Buda Kassapa.
E o asceta bem versado nos hinos e mantras compreendeu
aquelas belas e profundas palavras proferidas por aquele Sábio
que é livre de quaisquer impureza ou mau cheiro.

Tendo ouvido as palavras bem ditas
por aquele Buda perfeitamente livre de impurezas,
ele deu fim ao sofrimento,
e com humildade prostrou-se aos pés Tathagata,
solicitando ali mesmo a amissão na vida santa.