Sutta Nipāta 5.7

Nanda-manava-puccha

As Perguntas de Nanda

Venerável Nanda:

Dizem que no mundo
há sábios
—porque
alguém é chamado um sábio?
Por ter conhecimento
ou possuir um certo estilo de vida?

O Buda:

Para os expertos a palavra ‘sábio’ não tem nada que ver com
as idéias,
aprendizado,
ou conhecimento.
Para mim, Nanda, um sábio é aquele que
é pacífico,
vive afastado,
sem a fome ou o tremor dos desejos.

Nanda:

Todos contemplativos e brâmanes
Falam sobre o caminho para a purificação.
Alguns falam que a purificação provém das idéias e aprendizado,
Outros falam que a purificação provém da virtude e dos rituais religiosos,
Outros descrevem a purificação de diversos modos.
Esses homens, vivendo neste mundo, que ensinam essas coisas, eles
superaram o nascimento e o envelhecimento?

O Buda:

Todos contemplativos e brâmanes
Falam sobre o caminho para a purificação.
Alguns falam que a purificação provém das idéias e aprendizado,
Outros falam que a purificação provém da virtude e dos rituais religiosos,
Outros descrevem a purificação de diversos modos.
Esses homens, vivendo neste mundo, que ensinam essas coisas, eles,
eu lhe digo, não superaram o nascimento e o envelhecimento.

Nanda:

Todos contemplativos e brâmanes
Falam sobre o caminho para a purificação.
Alguns falam que a purificação provém das idéias e aprendizado,
Outros falam que a purificação provém da virtude e dos rituais religiosos,
Outros descrevem a purificação de diversos modos.
Se, sábio, como você diz, eles não cruzaram a torrente,
então quem no mundo com os seus devas e humanos
superou o nascimento e o envelhecimento?

O Buda:

Eu não digo que todos os contemplativos e brâmanes
estão envoltos pelo nascimento e envelhecimento.
Aqueles que abandonaram
aquilo que é visto, ouvido e sentido,
virtude e rituais
e muitos outros modos,
que, compreendendo o desejo,
estão livres das impurezas:
eles são aqueles, eu lhe digo,
que cruzaram a torrente.

Nanda:

Eu me alegro, Gotama, com as palavras do Grande Sábio,
bem expostas, sem aquisições.
Aqueles aqui que abandonaram
aquilo que é visto, ouvido e sentido,
virtude e rituais
e muitos outros modos,
que, compreendendo o desejo,
estão livres das impurezas:
Eu, também, digo que eles cruzaram a torrente.