Udāna 2.2

Reis

Assim ouvi. Em certa ocasião o Abençoado estava em Savatthi no Bosque de Jeta, no Parque de Anathapindika. Agora, naquela ocasião, depois de haverem esmolado comida e de haverem retornado, após a refeição, um certo número de bhikkhus estavam reunidos no pavilhão quando surgiu esta conversa:

“Agora, veneráveis amigos, qual destes dois reis possui a maior riqueza, as maiores posses, a maior força, o maior poder, mais majestade—o rei Seniya Bimbisara de Magadha, ou o Rei Pasenadi de Kosala?”

E essa conversa dos bhikkhus continuou sem chegar a um fim.

Então o Abençoado saindo do seu isolamento no final da tarde, dirigiu-se para o pavilhão e, chegando, sentou-se em um assento que havia sido preparado. Ele então perguntou aos bhikkhus:

“Bhikkhus, qual é o assunto que faz com que vocês estejam sentados juntos aqui agora? E qual é a discussão que foi interrompida?”

“Aqui, venerável senhor, “Depois de havermos esmolado comida e de havermos retornado, após a refeição, nos reunidos aqui no pavilhão quando surgiu esta conversa:

“Agora, veneráveis amigos, qual destes dois reis possui a maior riqueza, as maiores posses, a maior força, o maior poder, mais majestade—o rei Seniya Bimbisara de Magadha, ou o Rei Pasenadi de Kosala?” Essa, venerável senhor foi a discussão que foi interrompida quando o Abençoado chegou.”

Então, dando-se conta do significado disso, o Abençoado nessa ocasião exclamou:

“A felicidade decorrente dos prazeres sensuais,
ou a felicidade dos reinos celestiais,
Não equivalem nem a um dezesseis avos da felicidade da cessação do desejo.”