Udāna 5.2

Sobre a Curta Vida (das mães de Bodisatvas)

Assim ouvi. Em certa ocasião o Abençoado estava em Savatthi no Bosque de Jeta, no Parque de Anathapindika.

Agora, naquela ocasião o venerável Ānanda após se levantar da meditação ao anoitecer, foi até o Abençoado. Depois de cumprimentá-lo, ele sentou a um lado e disse ao Abençoado:

“É maravilhoso, venerável senhor, é fabuloso, venerável senhor, como foi curta a vida, venerável senhor, da mãe do Abençoado, sete dias após o nascimento do Bodisatva, a mãe do Abençoado morreu e renasceu no paraíso de Tusita.”

“É assim, Ānanda. De fato, as mães de Bodisatvas têm vida curta. Sete dias após o nascimento, as mães de Bodisatvas morrem e renascem no paraíso de Tusita.”

Então, dando-se conta do significado disso, o Abençoado nessa ocasião exclamou:

“Nascidos ou por nascer,
Todos hão de perecer,
Deixando para trás um corpo.

Aquele que é hábil,
E que compreende a miséria e perda em tudo isto,
A vida santa deve ardentemente viver.”